Comic Con

Choque de Cultura diz que Globo dá liberdade para que eles falem 'as maiores atrocidades'

Grupo prepara 3ª prêmio Carburador de Prata: 'Lançamos as tendências para o Oscar'

 
Raul Chequer, Caito Mainier e Daniel Furlan, do Choque de Cultura, na CCXP 2019 - Leonardo Volpato/Folhapress
São Paulo

Descobertos na internet, a trupe do Choque de Cultura participa da programação da Globo todos os domingos, antes do jogo de futebol. Na atração, eles analisam o filme que acabara de passar na TV –o que, para eles, é um prazer.

“O sucesso em TV aberta fez expandir nosso trabalho a outros públicos. É uma bazuca. Mas o projeto estava bem estabelecido dentro do nosso público na internet. O bom é que não perdemos a essência”, analisa o ator Daniel Furlan, que interpreta Renan, em entrevista ao F5 na CCXP 2019.

E por falar em essência, a trupe diz que tem total liberdade para trabalhar. Tanto que ainda são eles quem escrevem o roteiro, produzem e editam o programa. Para Furlan, o sucesso pode ser explicado justamente pelo fato de não haver cortes nas piadas.

“A gente teve uma conversa muito direta antes de aceitar ir para a Globo. Eles disseram que queriam que a gente fizesse a mesma coisa na internet. Deixam que a gente fale as maiores atrocidades”, opina.

 

Para Raul Chequer, o "Maurílio", a entrada na Globo fez com que o grupo alcançasse novos públicos: “Percebi pessoas mais velhas falando do programa e atingindo outras classes sociais. Alunos de escola pública falando da gente. E isso nos deixa feliz”, diz.

"Antes os fãs eram mais adolescentes, e hoje [o programa] parece atingir mais gente”, acrescenta Caito Mainier, cujo personagem Rogerinho é cheio dos bordões. “As pessoas repetem, o tempo todo, é um inferno. Mas a gente não cria com intenção de virar bordão, às vezes a gente até vê uma frase que pode virar um meme, mas nem sempre se concretiza.”

CARBURADOR DE PRATA

​O grupo já se prepara para o lançamento da 3ª edição do Carburador de Prata, premiação que elege os melhores do cinema de 2019 com muito humor e análises. O programa deste ano terá entre 20 e 30 minutos de duração, e será exibido no fim do mês no canal do YouTube "TV Quase".

“Nessa premiação, pegamos todos os lançamentos do ano e damos o prêmio. São várias categorias. A partir daí, lançamos as tendências para o Oscar, em fevereiro”, contou Chequer.

“Cada categoria terá de três a cinco indicados. O pessoal aguarda muito o nosso jeito peculiar de analisar”, acrescenta Furlan. “Serão premiações e análises criteriosas. Mas até hoje aguardamos os outros vencedores virem buscar”, diverte-se Mainier.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem