Comic Con

Porta dos Fundos não é de esquerda, e humor deve ser de oposição, diz fundador

Com Viacom, produtora se internacionaliza e expande produtos

Antonio Pedro Tabet, do Porta dos Fundos, no Lollapalooza 2013 - Avener Prado/Folhapress

Sidney Gonçalves do Carmo
São Paulo

Antonio Tabet, do Kibe Loco, um dos cinco fundadores e sócios do Porta dos Fundos, afirmou que há muita heterogeneidade política dentro do grupo e que eles não são de esquerda. Para ele, o humor deve ser oposição ao status quo. 

“No Porta nós somos heterogêneos. Quando falamos sobre política, nós chegamos à conclusão de que esse fla-flu político é uma idiotice, que não serve para ninguém. Nós todos queremos a mesma coisa, que político ladrão seja preso, que corrupto vá para cadeia. Só que alguns acreditam mais em um caminho e alguns em outros. Só que a gente se respeita, se adora e se ama, e a gente concorda em discordar”, disse Tabet, ao ser questionando, durante painel na Comic Con, se a posição política de Gregorio Duvivier, um dos integrantes do grupo, poderia influenciar as esquetes do Porta. 

Tabet afirmou ainda que é fã de Duvivier, e que o considera uma pessoa muito inteligente. “Ele tem as preferências dele, como cada integrante do grupo tem a sua.”

Fábio Porchat também concorda com Tabet e lembra que foram feitos vários vídeos satirizando a esquerda. “Porta bate em todo mundo. Não dá para dizer que ele é de esquerda. A gente tem vários vídeos sacaneando Lula e Dilma.”

“Humor é oposição ao status quo. A gente passou muito tempo zoando Lula e Dilma porque eles estavam há quatro mandatos no poder. A partir de agora, faremos vídeos sacaneando Bolsonaro”, completou Tabet. 

A dupla também comentou sobre os novos projetos de expansão do Porta Dos Fundos, que desde o ano passado pertence à Viacom, dona da MTV. Fábio Porchat lembra que o negócio com a empresa trouxe aporte financeiro para que o Porta iniciasse seu processo de internacionalização. 

“Continuamos como sócios, mas com um parceiro gigante, que não só vai nos internacionalizar, mas também conseguimos contratar mais roteiristas, porque a sensação é que Porta havia batido no teto e que com as nossas pernas não íamos conseguir”, disse Porchat. 

O humorista afirmou que a Viacom firmou uma parceria com a Amazon, como fez com a Netflix para lançar produtos do Porta dos Fundos. 

O produtor do Porta, Ian Raul Samarão Brandão Fernandes, lembra que já há esquetes sendo dubladas para a língua espanhola, como também, a seleção de atores para que os textos sejam reproduzidos por atores mexicanos. Tabet afirmou também que está em processo a produção para o inglês. 

Além da internacionalização, Fábio Porchat afirma que o Porta tem investido cada vez mais na produção de novos conteúdos, que não estão relacionados diretamente com as esquetes, como o canal de games de Totoro ou seu programa sobre viagens, Porta Afora. 

Entre os principais destaques no primeiro semestre de 2019 estão “Homens?”, série de humor que vai abordar o universo masculino com olhar mais crítico, “Guiana”, “Surfe de Titãs”, com Afonso Vendramini, além da quinta temporada de Porta Afora. 

Para Porchat, a série “Homens?”, que deve estrear em março no canal Comedy Central, é um caminho para falar brincando sobre machismo de uma forma que as pessoas possam parar e prestar atenção. “É uma comédia e não um movimento”, alerta o humorista. 

No Porta dos Fundos, diz Tabet, sempre se procurou falar das minorias, mas também fazer humor com o opressor mostrando o opressor. “Quando você expõe o machista dessa maneira você combate o machismo também. E conseguimos trilhar isso em nosso caminho.”

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem