Música

Pedro Sampaio recorda perrengue no início da carreira e diz que música tem que arrepiar

Carioca de 22 anos acumula parcerias e sucessos como 'Sentadão'

DJ Pedro Sampaio Divulgação/Pedro Pereira

São Paulo

DJ, produtor e cantor, Pedro Sampaio, 22, é um dos fenômenos do funk na atualidade. Marcando presença nos charts de streaming há dois anos, quando lançou sua primeira música, o carioca diz que só percebeu a dimensão do seu trabalho recentemente, com o sucesso de "Sentadão", durante o Carnaval.

"Tomou uma proporção muito grande, eu não esperava. Quando vi Wesley Safadão e Léo Santana cantando, falei: 'Meu Deus do céu'", contou ao F5 o DJ, que começou a produzir e criar aos 13 anos. Agora, com "Sentadão", uma parceria com Felipe Original e JS o Mão de Ouro, nomes do ritmo bregafunk, ele possui 90 milhões de ouvintes no Spotify.

Pedro Sampaio, que começou conciliando sua paixão com os estudos, diz que aprendeu tudo sobre música através de tutorias no YouTube e dicas de amigos. O DJ lembra com orgulho de quando tocava em festas dos colegas, ainda adolescente, e passava por alguns perrengues. "Meu pai levava as caixas de som nas costas, montava e desmontava tudo comigo, pra ganhar R$ 50 ou R$ 100."

De forma orgânica e natural, a arte se fez presente na vida do jovem carioca que não pensava em seguir carreira no meio. Ao contrário do que muitos possam imaginar, mesmo tendo começa cedo no ramo, Sampaio tinha planos mesmo é de se formar em comunicação social.

"Em 2015 criei conteúdo para internet e esses vídeos me levaram a lugares que eu nem imaginaria. Quando parei a faculdade não ouvi uma reclamação dos meus pais, em nenhum momento eles acharam que era idiotice", conta.

O ponto de virada para Sampaio foi quando ele decidiu produzir suas próprias músicas aos 19 anos. Até então, ele era conhecido por seus vídeos tocando MPC, aparelho compacto de som multimídia. "Percebi que era capaz de entregar algo a mais. Foi quando caí de cabeça na produção musical para criar meu próprio produto", diz o DJ.

O DJ, que decidiu também cantar em suas músicas, conseguiu uma marca de registro que virou chiclete: "PE-DRO SAM-PA-IO". A introdução, que está em praticamente todos os seus hits, é também o seu diferencial. Mas ele explica que a ideia surgiu sem querer: "Comecei tocando MPC e decidi que ia levar isso pro meu show. Liguei para um amigo MC e pedi pra ele mandar vozes de comando. Ele me mandou uma faixa de dez minutos, eu tive que garimpar e no meio de tudo achei essa. A galera gostou muito e por pressão popular [risos], lancei todas assim."

Atualmente com mais de 4 milhões de ouvintes mensais no Spotify e três singles no Top 200 (“Sentadão”, “Balança” e “Chama Ela”), Pedro Sampaio conta que a sua fórmula para o sucesso é estar por dentro do que a galera gosta. "As pessoas me inspiram além dos artistas, eu faço música pra elas, então entender o que elas estão consumindo, ou até como dançam, é muito importante pra mim."

Com apenas sete músicas lançadas no total, Pedro Sampaio se surpreende com os números atingidos e também com a notoriedade que vem ganhando cada hit. "Cada uma delas tem sua própria energia e todas fluíram sem pretensão. Sempre quando lanço, eu penso: 'Cara, não vai ter como superar essa'", diz.

Diversão é a palavra-chave para o artista de 22 anos. Para ele, não existe a ideia de fazer uma música sem curtir o próprio som. "Todas que eu fiz até agora eu dancei e pulei no estúdio. O que eu penso é: Se ela não causa efeito em mim, não vai causar em ninguém. A coisa tem que me arrepiar!", garante.

DE VOLTA ÀS ORIGENS

Agora em quarentena por causa do coronavírus, Pedro Sampaio afirma estar voltando as suas origens, e apesar de tudo, tenta encontrar um lado positivo. "Me devolveu algo que eu tinha perdido: o tempo. Por conta dos shows e de tudo, eu não tinha mais tempo de criar em casa, onde eu comecei tudo. Quando eu percebi isso eu falei: 'É só eu fazer o que eu fazia no início da carreira'."

Assim como outros artistas, o DJ e cantor tem investido em lives para entreter o público. Sua última apresentação feita no dia 15 de maio também foi transmitida na TV, pelo canal Multishow. Com conceito e cenografia criados pelo próprio artista, simbolizados em um cubo, Sampaio tocou por aproximadamente cinco horas. "Gosto de entregar coisa boa, ainda mais agora que eu tenho estrutura".

Por fim, as expectativas para o futuro –mesmo em meio a pandemia– não são desanimadoras para o carioca, que pretende dar continuidade ao seu legado de hits e parcerias bem-sucedidas. "A música que eu faço precisa de aglomeração, de festa. Por enquanto vou focar em produzir outros conteúdos até tudo voltar ao normal", conta.

No começo de junho, Pedro Sampaio lançou o seu primeiro EP da carreira, chamado "REMIXES!", que são versões inéditas de: "Vai Menina", "Bota Pra Tremer", "Sentadão", e "Chama Ela". Ainda neste ano, o músico irá se apresentar pela primeira vez fora do país. Ele é um dos nomes confirmados para o festival de música Villa Mix Lisboa, em Portugal, que acontece nos dias 3 e 4 de outubro.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem