Música

Guru do K-pop é interrogado pela polícia em meio a escândalos de apostas e sexo

Yang Hyun-suk fundou agência responsável por Big Bang e Blackpink

Yang Hyun-suk, fundador da YG Entertainment chega para prestar depoimento em Seul
Yang Hyun-suk, fundador da YG Entertainment chega para prestar depoimento em Seul - Yonhap via Reuters - 29.ago.19
Hyonhee Shin
Seul

O produtor musical por trás de alguns dos maiores astros sul-coreanos de K-pop foi interrogado pela polícia, nesta quinta-feira (29), como parte de uma investigação sobre apostas ilegais e prostituição que abalou a indústria musical.

De acordo com investigadores da polícia, uma rede de pop stars, empresários e policiais é acusada de ter conspirado e permitido sonegação fiscal, suborno e prostituição em alguns dos clubes mais em voga de Gangnam, distrito elegante de Seul.

Yang Hyun-suk, fundador da YG Entertainment, que agencia artistas destacados como Big Bang, Blackpink e outros, compareceu para um interrogatório em uma delegacia de polícia da capital Seul.

“Explicarei minha posição sinceramente à polícia”, disse Yang aos repórteres antes de entrar na delegacia. A polícia não quis comentar o que disse ser uma investigação em andamento.

Yang, que também foi um artista lendário, renunciou ao cargo de produtor-chefe da YG em junho e negou acusações relacionadas a escândalos de drogas e sexo envolvendo alguns de seus clientes.

O escândalo cresceu em março, quando Seungri, membro de 28 anos da Big Bang, se retirou do mundo do entretenimento devido a acusações de suborno sexual, o que desencadeou investigações policiais e a saída de cena de três outros artistas de K-pop.

Seungri foi interrogado pela polícia na quarta-feira (28) e não quis comentar.

Yang é o maior acionista da YG, que criou em 1996. Seu irmão, Yang Min-suk, executivo-chefe da empresa, também renunciou.

A YG Entertainment é uma das maiores gravadoras de K-pop, mas suas ações perderam mais da metade do valor neste ano devido ao escândalo.

Reuters
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem