Música

Filho de Arlindo Cruz reúne artistas para os 60 anos do pai em turnê que começa em São Paulo

Músico ainda se recupera de um AVC sofrido há um ano e meio

Arlindo Neto, o Arlindinho, filho de Arlindo Cruz
Arlindo Neto, o Arlindinho, filho de Arlindo Cruz - Divulgação/Bruno Henrique

Descrição de chapéu Agora
Leonardo Volpato
São Paulo

Acontece amanhã, no Credicard Hall, a estreia da turnê do show “60 Anos de Vida, 40 Anos de Samba”, no qual Arlindo Neto, o Arlindinho, homenageia o aniversário do pai, Arlindo Cruz, que ocorre no mesmo dia, e a sua trajetória.

Para isso, ele chamou ícones do samba e amigos de longa data do artista, que se recupera de um AVC sofrido há um ano e meio. Todos rememorarão as canções do sambista e o projeto resultará em um DVD.
O primeiro encontro será em São Paulo, mas o show sairá em turnê por todo o país. Estão confirmados no espetáculo de amanhã nomes como Xande de Pilares, Leci Brandão, Sombrinha, a escola de samba X9 Paulistana, o grupo Turma do Pagode o cantor Reinaldo.

“Meu pai sempre foi festeiro, sempre comemorou aniversário com show. Foi assim quando fez 50 anos, 55 anos. Ele gosta assim. Então aconteceu tudo [ele sofreu um AVC em 17 de março de 2017]. Agora, chegou a marca de 60 anos dele, no dia 14 de setembro. Convidei muita gente. Só estou mantendo o que ele sempre pediu”, conta Arlindinho.

“Será uma apresentação para comemorar a vida. O show tem que continuar. As vibrações do público salvaram a vida dele e a da nossa família. Teve muito amor pelo Arlindo.”

Na dinâmica da apresentação, cada artista cantará de duas a três músicas de Arlindo Cruz, as que mais fizeram sucesso. Depois, eles vão se encontrar no palco, realizando parcerias e relembrando outras canções. Haverá muito improviso e certamente emoção.

“Tem muita gente que quer fazer parte. Então, outros artistas vão participar de shows em outras cidades. Vai ser um ano inteiro de turnê, com DVD gravado possivelmente no Rio.”

E o pai deve acompanhar tudo de casa. “A gente fará uma transmissão ao vivo para ele. No do Rio, em 6 de outubro, a ideia é que ele vá.”

Arlindinho conta que a recuperação do pai, que recebeu alta no começo de julho, tem sido gradual e satisfatória. Diz que Arlindo entende tudo o que é dito e recebe o carinho diário de toda a família em sua casa, no Recreio dos Bandeirantes, no Rio. De acordo com o músico, o mais importante é pensar na felicidade e na plena recuperação do sambista.

“Tem um samba que fiz em homenagem a ele em que eu digo que ‘ainda é tempo de ser feliz’. Então é justamente isso que eu desejo a ele. Se depois ele puder voltar a cantar, a compor, será maravilhoso. Mas, se não puder, que ele venha a ser feliz, rir, se emocionar. Que venha ver o quanto é amado. Quero que ele se sinta abraçado”, fala, emocionado.

Ainda sobre o futuro, Arlindinho conta que mandou uma música inédita do pai para a cantora Maria Rita e para o pagodeiro Thiaguinho. “Eles ficaram loucos para gravar. Tem tanta coisa inédita dele para as pessoas gravarem... Meu pai já fez tudo o que podia. Agora é hora de ser feliz e de curtir a família”, finaliza o cantor.

SHOW EMOCIONANTE

O cantor Reinaldo, conhecido como o Príncipe do Pagode, é um dos destaques da festa de comemoração dos 60 anos de Arlindo Cruz, amanhã. Foi ele quem, até hoje, mais gravou músicas do velho amigo.
“Sou suspeito, pois sou o cara que mais gravou músicas dele. Então, vou interpretar canções que vão fazer as pessoas chorarem”, adianta. No repertório, “Agora Viu que Perdeu e Chora”, “Pra Ser Minha Musa” e “Brilho no Olhar”.

“Nós dois somos amigos há 40 anos. E ver o Arlindinho [filho dele] o representando no palco é emocionante. Ele virou, por ora, o homem da casa. Será uma apresentação carregada de lágrimas”, conta.
Leci Brandão também marcará presença no espetáculo do Credicard Hall. “Foi determinado que eu vou cantar duas músicas. Uma será ‘Fogueira de uma Paixão’, feita por ele para mim em 1987. Todo o mundo conhece e é meu grande sucesso. A outra será ‘Zé do Caroço’, uma que não posso deixar de lado”, afirma.

E diz que o show estará aberto a muito improviso. O difícil será conseguir segurar o choro.
“Este ano foi difícil. Vivo pedindo aos orixás para que ele tenha uma melhora na saúde. Tenho uma ligação forte com com o Arlindo e com a família dele. Mas o show tem que continuar”, diz.

“Todos do samba têm uma história com o Arlindo. Mesmo quando trabalhava na Globo, ele nunca mudou, nunca ficou diferente, nunca se sentiu uma celebridade. Sempre teve carinho por todos. É a hora de retribuirmos isso”, finaliza a sambista.

'PALAVRAS CANTADAS'

Um dos nomes confirmados para a homenagem a Arlindo Cruz, amanhã, no palco do Credicard Hall, o sambista Xande de Pilares, famoso por ter feito parte do Grupo Revelação, fala da importância de Arlindo em sua trajetória.

“Ele me influenciou muito, foi um dos caras que mais me ajudaram e me deram conselhos, principalmente no lance da dedicação. Junto com Zeca Pagodinho e Almir Guineto [1946-2017], era um dos caras que eu acompanhava quando criança. Arlindo sempre foi sensacional. Tenho uma coisa muito pessoal com ele”, afirma Pilares. E conta o que prepara para a apresentação. “A primeira coisa será controlar a emoção. Se eu conseguir ultrapassar essa etapa, pretendo cantar ‘Não Valeu’, que é uma que marcou muito a minha vida. E cantarei ainda ‘Seja Sambista Também’”, antecipa.

“Minha forma de falar dele é versando. Uma coisa que ele gostava muito de fazer era mostrar para os caras que eu era bom no partido-alto. Então, meu jeito de homenagea-lo será com palavras cantadas”, complementa Pilares.

A admiração se tornou ainda maior quando Xande e Arlindo Cruz trabalharam juntos no programa “Esquenta!”, da Globo, de 2012 a 2017. “Essa parceria entre a gente foi bacana. O ‘Esquenta!’ era um programa temático, então, quando tinha de fazer uma seleção de músicas, prevalecia a opinião do Arlindo. Eu sou muito Arlindo Cruz, eu o venero. Tudo o que ele falava eu acatava. Olhava o meu mestre de frente, com muito carinho”, relembra o artista.

“60 Anos de Vida, 40 Anos de Samba”

  • Quando Amanhã, a partir das 22h
  • Onde No Credicard Hall (av. das Nações Unidas, 17.955, Vila Almeida)
  • Preço A partir de R$ 80 (há meia-entrada)
  • Classificação 12 anos com responsáveis
  • Telefone (11) 4003-5588
  • Capacidade 3.873 pessoas
Agora
Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem