Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Música

'Até hoje a gente não teve como cantar outra coisa', diz Projota sobre música politizada

Lançada nesta quinta (16), 'Sr. Presidente' é uma 'carta atemporal' ao governo Brasileiro

O clipe de 'Sr. Presidente' traz projeções de notícias, vídeos e imagens sobre a situação política do Brasil
O clipe de 'Sr. Presidente' traz projeções de notícias, vídeos e imagens sobre a situação política do Brasil - Divulgação/Haruo Kaneko
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Projota, 32, lança nesta quinta (16) a música “Sr. Presidente”. Segundo o rapper, a ideia era escrever uma “carta musicada” para os governantes do Brasil, que não fosse necessariamente destinada ao presidente atual.

O vídeo também tem um tom crítico. Nas imagens, Projota aparece sentado em uma sala com projeções de notícias e fotos. “Remete a um túnel do tempo para passar essa sensação de que não é uma música para o presidente atual, é para qualquer presidente do Brasil, homem ou mulher. Quando eu canto 'Senhor Presidente, esse país tá doente' é porque até hoje a gente não teve como cantar outra coisa”, disse ele em entrevista ao F5.

Em junho deste ano o rapper lançou "Mayday", que também tem uma letra politizada. No entanto, "Sr. Presidente" deve ser sua principal música de trabalho em 2018. Apesar das críticas sociais, ele diz ter pensado em uma produção que fosse atrativa para rádios e cativasse o público. “A música é um pouco ousada. É um assunto delicado mas necessário, urgente”, afirma.

"Eu não sou um entendedor de política, não posso aprofundar o assunto. Mas eu posso falar como é não conseguir pagar a conta de luz no fim do mês ou estar com o aluguel atrasado. Eu entendo do que o povo também entende, eu posso falar a voz do povo, que está esperando uma pessoa que entenda de política e possa nos representar lá na frente."

Projota diz que suas composições críticas e politizadas nasceram de uma mistura de influências do rock, estilo que fez despertar seu amor pela música, e do rap nacional que "já estava dentro dele". Aos 15 anos, passou a se interessar pelas rimas ácidas e a participar da Batalhas de MC's, uma competição de rimas.

Para ele, que passou sua infância e juventude na Zona Sul de São Paulo, sua relação com a política começou como cidadão, quando viu alguns projetos sociais da gestão do ex-presidente Lula tomarem forma. 

"Quando Lula foi eleito, fiz faculdade de graça. Muita coisa boa aconteceu e a gente tem que saber reconhecer as coisas boas também, se não só vamos cobrar", disse Projota que, na época, ingressou na faculdade de Educação Física por meio do Programa Universidade para Todos (ProUni).

Com mais de 1 bilhão de visualizações em seu canal do Youtube e 1,7 milhões de ouvintes mensais no Spotify, Projota pretende lançar, até o final de 2018, outros dois singles com clipes —segundo ele, há possibilidade de fazer outras parcerias.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem