Música

Caetano Veloso afirma que não tende a adotar uma postura de professor com os filhos

Após as apresentações em São Paulo, o quarteto continua com shows pelo Brasil

Ícone daÍcone da música brasileira, Caetano Veloso faz show ao lado de seus filhos: da esq. para dir., Tom, Zeca e Moreno
Ícone da música brasileira, Caetano Veloso faz show ao lado de seus filhos: da esq. para dir., Tom, Zeca e Moreno - Jorge Bispo/Divulgação

Sarah Mota Resende
São Paulo

O ditado "filho de peixe, peixinho é" nunca fez tanto sentido para a família Veloso como agora. É que o patriarca de 75 anos, Caetano Veloso, lança com os filhos, Moreno, Zeca e Tom, o CD e DVD "Ofertório", projeto em que cantam e tocam juntos.

O quarteto escolheu São Paulo para estrear o álbum, gravado ao vivo na cidade. Eles se apresentam nesta sexta (24) e neste sábado (25), no Espaço das Américas, na zona oeste.

"A ideia surgiu da minha cabeça, eu pensando em coisas que tinha vontade de fazer", diz Caetano, que já tinha trabalhado com o primogênito, Moreno, 45. Fruto da relação com Dedé Gadelha, ele se profissionalizou na música, apesar de ser formado em física.

Já Zeca, 26, que estreou como DJ no cenário eletrônico, e Tom, 21, que tem uma banda de rock com amigos, subiram ao palco ao lado do pai e do irmão mais velho pela primeira vez quando a família entrou em turnê pelo Brasil com o show de mesmo nome que o álbum, em 2017, no Rio. Os dois rapazes mais novos são filhos da união de Caetano com a atual mulher, a produtora Paula Lavigne.

"Pensei: ‘Poxa, se todos estão fazendo música, quero um show com eles"", diz Caetano. "Se tem uma coisa capaz de me dar felicidade é sair com eles. Mas também foi um truque, porque os filhos crescem e vão ficando distantes da gente. Acho que quis fazer esse show para tê-los perto de mim."

"Ofertório", canção que dá nome à turnê, foi escrita por Caetano para a missa de 90 anos de sua mãe, dona Canô, que morreu em 2012, aos 105 anos. Além desaa, o projeto tem mais 13 músicas, entre clássicos da carreira de Caetano, como "Oração ao Tempo" e "O Seu Amor", e inéditas, como "Todo Homem", composição de Zeca que está na abertura de "Onde Nascem os Fortes".

É ele, inclusive, que se diz mais nervoso com as apresentações. "Não estava preparado. Nunca fui e ainda não sou músico profissional. Agora, depois de uns 30 shows, acho que estou um pouco mais seguro", diz Zeca.

Caetano afirma que não tende a adotar uma postura de professor com os filhos, nem nos ensaios nem nos shows. "Suponho que isso venha do meu pai. É mais importante dar o exemplo fazendo coisas que devem servir de exemplo."

Após as apresentações em São Paulo, o quarteto continua com a agenda de shows pelo Brasil. De julho a agosto, a família Veloso embarca para a Europa, passando por palcos na França, na Inglaterra, na Espanha, em Portugal e na Itália.

INFLUÊNCIAS

O projeto "Ofertório", assinado por Caetano Veloso e seu três filhos, Moreno, Zeca e Tom, tem influências de músicas populares. "Gosto muito de ouvir muita coisa pop, e que toca no rádio, tipo funk, sertanejo. Acho que isso dá sempre uma vitalidade. Eles estão sempre se reiventando enquanto outras áreas da música, mais respeitadas, são mais conservadoras. Não que eu ouça isso sempre, mas é o que me entusiasma mais", afirma Zeca.

Caetano, que afirma ser influenciado pelo que o filho ouve, conta que gosta de ser atualizado, por exemplo, sobre os trabalhos autorais do rappper americano Kanye West. O brasileiro, entretanto, diz preferir prestigiar artistas conterrâneos.

"Gosto imensamente de funk. Mesmo no Tropicalismo, o Gilberto Gil gostava de pensar em 'Strawberry Fields Forever', dos Beatles, e eu gostava de pensar em Roberto Carlos", diz Caetano Veloso. "Adoro Rihanna, mas tenho muito mais interesse em Ludmilla e Anitta. É um negócio do Brasil, sei lá, eu sou velho", brinca.

Caetano Veloso e Filhos

  • Quando 25 e 26 de maio
  • Onde Espaço das Américas (rua Tagipuru, 795)
  • Preço De R$ 140 a R$ 380
  • Classificação 14 anos
  • Tel.: 3864-5566
  • Lugares 3.170
Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem