Música

Filho de Pedro Bial e Giulia Gam, músico Theozin diz que estudar filosofia o ajuda a compor

Theo Gam Bial, o Theozin - Reprodução/Instagram

CRIS VERONEZ
Rio de Janeiro

A primeira vez que Theo Gam Bial, o Theozin, subiu em um palco foi em um evento escolar, aos 13 anos. Ele tocava violão por influência dos pais, o jornalista Pedro Bial e a atriz Giulia  Gam, que diziam que ele deveria aprender a tocar pelo menos um instrumento. Pouco tempo depois, começou a cantar. Chegou a montar uma banda e agora, aos 19 anos, se lança em carreira solo.

Em novembro de 2017, ele lançou o clipe "Pontão", um acústico no estilo "surf music". "Estou animado. A música é maneira. Fala sobre o Leblon [bairro da zona sul do Rio], surfe e natureza. A galera do surfe se amarra nessa música. Meus amigos já estavam pedindo há um tempão."

Em outubro, o cantor apresentou ao público o EP "Presente", com seis músicas que misturam eletrônica e rap, em parceria com o amigo João Pedro de Moura Xavier, 20, o OgrowBeats.

"Lancei o EP no segundo semestre do ano passado, mas venho trabalhando nele desde o início de 2016. Só que na verdade a primeira ideia era um CD. O EP surgiu no meio do processo. Quando eu e o Xavier sentamos pra produzir o CD, não conseguimos chegar ao resultado que a gente queria, com as músicas que eu já tinha. Nesse meio tempo de experimentações, acabamos fazendo seis músicas que são as do EP. O CD ficou para 2018, disse, em entrevista ao "F5".

CONEXÃO COM A NATUREZA

Paralelamente ao EP Presente, Theozin lançou também o clipe "Gaia", inspirado nas aulas de filosofia da natureza que acompanhou na faculdade. 

Satisfeito com a repercussão, ele diz que essa é a música com a qual mais se identifica no momento. "Minha música favorita depende muito da fase que estou vivendo. Muda muito. Atualmente é essa. No show, todo mundo canta junto comigo. Ela tem sido bem importante para mim."

A letra da canção, inspirada no conceito de intrusão de "Gaia", formulado por Isabelle Stengers em seu livro "No Tempo das Catástrofes", é uma reflexão sobre a falta de cuidado das pessoas com a vida, sobre a relação das pessoas com a terra.

"Faço faculdade de filosofia. Sempre fui interessado por sustentabilidade, sempre tentei fazer a minha parte, mas como comecei a estudar o olhar filosófico sobre essa questão, comecei a ter muitas ideias do que falar em uma música. Não queria só falar de uma forma que todo mundo fala. Queria passar uma mensagem mais implícita, e a filosofia me ajudou a criar os conceitos da letra de 'Gaia'. De forma que não ficasse em um tom de lição de moral, mas que ajudasse as pessoas a pensar sobre o assunto."

Sobre a carreira independente, Theozin afirma que existem prós e contras, e que futuramente pensa em fechar uma parte do seu trabalho com alguma gravadora.

"O bom de ser independente é que posso fazer tudo do meu jeito. Posso ficar o tempo que eu quiser dentro do estúdio, participo de todas as etapas da produção da música e ela acaba ficando mais a minha cara. Por outro lado, não tenho a divulgação que uma gravadora tem, acabo demorando um pouco mais para lançar as músicas, o som no padrão do mercado, etc. Só que isso me fez aprender muito, porque eu crio um olhar de produtor, além do olhar do artista."

APOIO DOS PAIS

Theozin diz que não se incomoda quando alguém vincula seu nome ao de Pedro Bial ou Giulia Gam. Ele diz, inclusive, que os pais sempre o apoiaram na carreira de cantor e que o ajudam. Bial dá suporte ao filho em relação aos equipamentos musicais e a mãe o ajuda com a parte artística.

"Não tenho problema nenhum em vincular meu nome ao deles, mas gosto de fazer o meu. Quero que me reconheçam pelo que eu sou, e não por eu ser filho de alguém. Acho legal quando as pessoas curtem meu som antes de saber disso. Rola um certo preconceito quando a gente é filho de famoso, e acho também que foi por isso que optei por ser artista independente. Não tem como falarem que existe alguém por trás do meu trabalho."

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem