Estilo

Para Naomi Campbell, 'Black Lives Matter' vai alterar indústrias de moda e beleza

Modelo diz que soube que a Condé Nast está criando a Vogue África

Naomi Campbell participa de evento da revista Time, em Nova York
Naomi Campbell participa de evento da revista Time, em Nova York - Andrew Kelly-23.abr.2019/Reuters
Alexis Akwagyiram
Lagos (Nigéria)

Os protestos mundiais sobre o tratamento dado a pessoas negras vão alterar as indústrias globais de moda e beleza, criando oportunidades de emprego e produtos que atendam a uma ampla gama de consumidores, disse a modelo Naomi Campbell em entrevista à agência de notícias Reuters.

O mundo da moda é, há muito tempo, criticado por sua falta de diversidade. Algumas empresas já estão fazendo mudanças nos produtos, em um momento em que os protestos contra o racismo sistêmico, provocados pela morte de negros pela polícia nos Estados Unidos, destacam questões relacionadas à raça.

Campbell, que durante seus 34 anos de carreira foi a primeira modelo negra a aparecer nas capas das revistas Vogue e Time, disse acreditar que haverá mais oportunidades para os negros como designers, estilistas e maquiadores. "Agora, o mundo inteiro está na mesma página. As vozes estão surgindo agora...e vejo isso com otimismo de que conseguiremos nossa mudança."

A modelo também diz acreditar que as empresas provavelmente expandirão sua gama de cosméticos para combinar com mais tons de pele. "Gastamos muito dinheiro. Somos grandes consumidores", disse Campbell, referindo-se às oportunidades para as empresas.

No início deste mês, a Band-Aid, de propriedade da Johnson & Johnson, anunciou que lançará curativos para combinar com uma variedade de tons de pele. Campbell, que há dois anos disse à Reuters que a revista Vogue deveria lançar uma edição africana, também contou que "ficou sabendo que (o grupo de edições de revistas) Condé Nast está trabalhando para criar uma Vogue África".

Reuters
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem