Estilo

Leitoras fazem fila por cópia da Vogue britânica editada por Meghan Markle

'Espero que as leitoras se sintam tão inspiradas quanto eu', disse a duquesa

A duquesa de Sussex, Meghan Markle
A duquesa de Sussex, Meghan Markle - Reuters
Jayson Mansaray
Londres

Leitoras entusiastas pela família real britânica fizeram fila nesta sexta-feira (2) para comprar a nova edição da revista Vogue britânica, que teve como editora convidada Meghan Markle, 37, duquesa de Sussex e mulher do príncipe Harry.

Meghan, que teve o primeiro filho em maio, passou sete meses trabalhando com o editor-chefe da Vogue britânica, Edward Enninful, na edição de setembro, que destacou 15 mulheres que ela considera "Forças da Mudança" na capa.

"Eu queria ser uma das primeiras... e estava muito empolgada", disse Vanessa Forstner, vendedora de carros de luxo de 29 anos que entrou na fila em frente à loja Condé Nast Worldwide News, no centro de Londres.

Sandria Plummer, 55, outra das que esperaram para comprar a revista, disse estar entusiasmada com a diversidade de conteúdos escolhidos por Meghan. "É especial porque a duquesa de Sussex é a editora deste mês e... é uma coisa que só se tem uma vez na vida, é um item de colecionador, então estou empolgada por ter duas cópias agora", disse.

Meghan Markle disse em um comunicado que tentou direcionar o foco da edição de setembro –normalmente a mais lida do ano– "aos valores, causas e pessoas que causam impacto no mundo hoje".

A capa da revista conta com figuras como a ativista climática adolescente Greta Thunberg, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Arden, a boxeadora Ramla Ali e a atriz e ativista dos direitos das mulheres Salma Hayek Pinault. "Espero que as leitoras se sintam tão inspiradas quanto eu pelas 'Forças da Mudança' que encontrarão nestas páginas", disse Meghan.

A edição também traz uma "conversa sincera" de Meghan com a ex-primeira-dama dos Estados Unidos Michelle Obama e uma entrevista de Harry com a primatóloga Jane Goodall na qual ele debate a "tendência inconsciente" ao racismo.

Reuters
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem