Diversão

Flamengo vence primeiro título brasileiro de League of Legends, no Rio

Time derrota o tetracampeão INTZ e garante vaga para o mundial na Europa

 Público e as torcidas dos times INTZ e Flamengo chegam ao Jeunesse Arena, no Rio de Janeiro
Público e as torcidas dos times INTZ e Flamengo chegam ao Jeunesse Arena, no Rio de Janeiro ORG XMIT: B-FhdN6n507RFVrJS6tS - Riot/Divulgação
Fabiana Schiavon
São Paulo

Com um público de 8.000 torcedores pagantes, o Flamengo venceu o CBLoL (Campeonato Brasileiro de League of Legends), neste sábado (7), no Rio de Janeiro. O time vencedor ganhou o prêmio de R$ 70 mil e ainda será representante do Brasil no Mundial de LoL, em outubro, na Europa. O segundo lugar leva R$ 40 mil.

A partida era vista como uma grande revanche para o Flamengo, já que o time perdeu as últimas disputas para o rival. No e-Sports desde 2017, o Flamengo buscava o primeiro título no campeonato brasileiro.

O jogador BrTT, 28, o mais velho e líder do time, é torcedor do Flamengo e sentiu que tirou uma carga de suas costas ao derrotar o INTZ. “Representa muito [esse título] por conta do meu avô. A gente assistia a todos os jogos juntos e essa vitória estava entalada há algum tempo. E isso mexeu muito com o meu psicológico, acabei ficando indo mal nas últimas finais”. BrTT já passou pelos times Pain Gaiming, o Keyd Stars e Red Canids e venceu cinco títulos nacionais.

Apesar de o INTZ ser o favorito, com quatro títulos brasileiros no currículo, o Flamengo tinha na sua escalação jogadores coreanos -visto como os melhores do mundo. Mesmo assim, os games do Flamengo contam que isso nem sempre foi uma vantagem. “É difícil ter uma comunicação fluída com os coreanos, mas com todo treinamento que fizemos, a gente conseguiu aprimorar essa questão. A cultura deles é muito diferente da nossa, acontece de o time não ficar muito unido no início, mas conseguimos chegar a essa união agora”, afirmou BrTT. 

Os dois times conseguiram manter o nível da competição que durou a tarde toda, no parque Olímpico, no Rio de Janeiro. No melhor de cinco, o INTZ venceu a primeira partida. O Flamengo empatou logo na sequência, mas o rival reagiu e marcou 2 a 1. A torcida rubro-negra inflamou mesmo quando o Flamengo conseguiu o empate e deixou a decisão para a quinta partida.

O jogador Robô disse que ver o tamanho da torcida na arena trouxe uma responsabilidade maior, mas também os estimulou.“Quando vimos o estádio inteiro gritando por nós, pensei que ia ser muito triste se a gente saísse daqui com mais um vice. A torcida foi o sexto jogador, com certeza”.

TORCIDA RUBRO-NEGRA TOMOU CONTA DA PLATEIA

A torcida oficial do Flamengo, time de futebol, abraçou o mundo do e-Sports e apareceu em peso na arena do parque Olimpíco, no Rio. Há quem torça pela paixão que a família nutre pelo time de futebol. “Logo que começou o LoL, eu torcia para o Pain Gaiming. Mas sou Flamengo desde criancinha, meu pai sempre torceu, então quando o time entrou para o CBLoL eu passei a torcer por eles”, afirma o motorista Lucas Torquato, 22, que espera não ter que ver os dois times que gosta em uma final.

Ter marcas de futebol em arenas de games será cada vez mais frequente, segundo Schaeppi, narrador profissional de e-Sports. “Muitos times de futebol estão vendo a importância do e-Sports. Lá fora tem o Golden State Warriors, nos Estados Unidos, o Fenerbahce da Turquia, o Barcelona, na Europa. Aqui tem o Flamengo e o Santos e alguns outros times já estão querendo entrar. É uma forma de renovar as suas torcidas, trazer um público novo”, opina o narrador.

Ele conta que tem gente que passou a torcer para o time de futebol do Flamengo por gostar do brTT [jogador do time no e-Sports], por exemplo. Como no esporte tradicional, os gamers também são disputados pelos times e valem passem milionários, segundo o narrador.

O que as torcidas de futebol podem aprender sobre isso é a união do público vista nas arenas, segundo Schaeppi. “Se um torcedor de estádio vier para cá, a hora que ele entender como é, ele dá uma acalmada. O League of Legends é uma comunidade e os jogadores dos times são os ídolos”, afirma o narrador, que não vê clima de rivalidade em momento algum. “Não é preciso dividir torcida, está todo mundo junto acompanhando as partidas”, completa.

É o caso do estudante Guilherme de Souza, 25 que não se importa em mudar sempre de time. “Torço para o Flamengo porque a equipe é muito boa. A INTZ é surpreendente, eles já tiveram uma capacidade incrível de dominar o jogo na época do Revolter [jogador], mas hoje eu sou Flamengo”, afirma.

O que é o LoL?

O League of Legends é um jogo online que mistura a velocidade e a intensidade de um RTS (jogo de estratégia em tempo real) com elementos de fantasia de um jogo de RPG (role-playing game). Duas equipes de poderosos personagens, chamados de campeões lutam em diversos campos de batalha e modos de jogo. Cada jogador pode escolher um dos mais de 130 campeões que o represente durante a batalha.

A finalidade de cada time é chegar à base do adversário, mas antes é necessário conquistar vários objetivos no meio do caminho, derrubando torres, destruindo monstros e até mesmo combatendo inimigos.

O jogo é sucesso há dez anos em todo o mundo e tem mais de 100 milhões de jogadores ativos. Chegou no Brasil em 2012 e hoje o país está entre as seis maiores comunidades globais.

A audiência nas transmissões do jogo a audiência de 2,3 milhões com YouTube, o Twitch também pelo SporTV.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem