Tony Goes

BBB 21: Gil do Vigor ganhou a si mesmo, o maior prêmio de todos

Protagonista da edição foi vítima do engajamento da torcida de Juliette

Gilberto foi o 16 º eliminado do BBB 21, com 50,87% dos votos

Gilberto foi o 16 º eliminado do BBB 21, com 50,87% dos votos João Cotta-3.mai.2021/Globo

Foi um dos paredões mais chocantes da história do Big Brother Brasil. Todas as enquetes apontavam a saída de Camilla de Lucas, por larga margem de votos. Mas o resultado ficou claro logo no começo do discurso de Tiago Leifert. O eliminado do último Paredão do BBB 21 foi Gilberto Nogueira, o Gil do Vigor, maior protagonista desta edição.

A verdade é que a torcida do pernambucano bobeou. Ao longo do fim de semana, circularam nas redes sociais notícias de que os adeptos de Juliette Freire estavam realizando um mutirão para tirar Gil da final e garantir uma vitória fácil para a maquiadora. Foi exatamente o que aconteceu, porque não houve contragolpe.

É justo que um fandom controle o jogo, eliminando um dos participantes mais queridos pelo público? Não, não é, mas as regras permitem isto. É só com o voto gratuito e ilimitado que a Globo pode ostentar números como o 1,5 bilhão recebidos no embate entre Felipe Prior e Manu Gavassi no BBB 20. Mas ali havia duas torcidas engajadíssimas, enquanto na noite deste domingo (2) só havia uma —a de Juliette.

Mesmo assim, é uma tremenda decepção não ter Gil na grande final do BBB 21. O doutorando em economia se destacou do começo ao fim. Gritou, dançou, beijou, brigou, criou bordões, chorou feito um bezerro desmamado. Controlou as próprias emoções tão bem quanto um cachorro controla o rabo quando vê o dono. Foi, em suma, o participante ideal de um reality de confinamento.

Gil usou o Big Brother como a coroação de um processo de crescimento e autoaceitação. Homossexual educado dentro da rígida Igreja Mórmon, ele cresceu se sentindo um pecador. Sua história lembra a de milhões de outros meninos brasileiros, abandonados pelo pai e criados pela mãe.

Ele não precisou do programa para se assumir gay. Já estava com a porta do armário escancarada quando entrou no ar. Uma vez lá dentro, foi o menos discreto de todos os LGBTQI+ que já passaram pela casa mais vigiada do Brasil.

Passou longe da figura da bicha discreta, "que sabe o seu lugar". Desmunhecado e fechativo, Gil protagonizou com Lucas Penteado o primeiro beijo entre dois homens do BBB. Nos últimos dias, reclamava em voz alta da abstinência sexual, e ainda assumiu um crush avassalador por Fiuk.

Um mundo de possibilidades o aguarda aqui fora. Selecionado para bolsas de doutorado em duas universidades dos Estados Unidos, Gil disse que irá para Universidade da Califórnia, sua primeira opção —a outra vaga era em uma instituição do Texas.

Também receberá uma avalanche de convites para participar de outros programas de TV, campanhas publicitárias e desfiles de escolas de samba. Virou a celebridade que sonhava ser.

Chegando em quarto lugar no BBB 21, Gil não ganhou prêmio em dinheiro. Mas levou muitos outros, cuja soma total ele mesmo avaliou em mais de R$ 200 mil. Uma ninharia perto do que ainda está por vir, aposto.

Recebeu também outros prêmios muito maiores. Como a admiração de diversas celebridades e o carinho do público, simplesmente incalculáveis.

Mas o maior de todos os troféus está dentro dele mesmo. Gil sai do BBB 21 sabendo que do que é capaz —inclusive, de ser amado. Está colhendo os primeiros frutos de seu imenso potencial. Mesmo ainda sendo um fio desencapado, agora ele é seu próprio dono. Gil do Vigor ganhou a si mesmo, e não tem nada que supere isso.

Tony Goes

Tony Goes tem 60 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem