Tony Goes

Disfarçada com outros nomes, a censura está querendo voltar

Figuras públicas vem sendo ameaçadas e algumas obras, impedidas de circular

Cena do filme Torre das Donzelas
Cena do filme Torre das Donzelas - reprodução

O site de “Torre das Donzelas” já foi derrubado duas vezes. Comentários terríveis, de “morram” para baixo, surgem a todo momento nos perfis do filme no Instagram e no Facebook, mas são logo apagados pela equipe de divulgação. A diretora Susanna Lira vem recebendo toda sorte de ataque.

“Torre das Donzelas” é um documentário sobre prisioneiras políticas da ditadura militar. O título se refere à ala do presídio Tiradentes, em São Paulo, onde muitas dessas mulheres foram confinadas –entre elas, a ex-presidente Dilma Rousseff.  O longa está pronto há um ano e já foi exibido em vários festivais. Na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo de 2018, ganhou um prêmio de R$ 100 mil da Petrobras, para ajudar na distribuição.

Só que o dinheiro não foi entregue. O novo governo cancelou todas as iniciativas e compromissos da Petrobras na área da cultura. Mesmo assim, “Torre das Donzelas” entra em cartaz nesta quinta (19), em diversos cinemas pelo Brasil.

O filme está sofrendo censura? Oficialmente, não. Até porque ela inexiste no Brasil: foi expressamente proibida pela Constituição de 1988, ainda em vigor. Mas qualquer observador atento já percebeu que há inúmeras tentativas de censura em andamento, tanto por parte de autoridades como de seus apoiadores mais exaltados.

O governador de São Paulo, João Doria, mandou recolher apostilas que, segundo ele, tratariam da imaginária “ideologia de gênero”. O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, quis recolher da Bienal do Livro da cidade uma HQ da Marvel que mostra dois rapazes se beijando. Nos dois casos a sociedade reagiu, mas alguém duvida que eles voltarão à carga?

Ninguém reagiu mais que Felipe Neto. O vlogueiro mandou comprar 14 mil livros de temática LGBT e fez com que fossem distribuídos gratuitamente ao público da Bienal. Conquistou muitos novos admiradores com esse gesto, mas também acirrou a ira de seus inimigos. Assustado com as ameaças que recebeu, Felipe já enviou sua mãe para fora do país e cancelou sua participação em um encontro sobre educação no Rio de Janeiro.

Há poucos meses, aconteceu coisa parecida com Miriam Leitão. Convidados a participar da Feira do Livro de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, a jornalista e seu marido Sérgio Abranches foram avisados que os organizadores do evento não garantiam a segurança do casal. Preferiram cancelar a viagem.

Há poucos dias, o filme “Marighella” teve seu lançamento adiado. A estreia estava prevista para 20 de novembro –agora ficou, quem sabe, para meados de 2020. A razão oficial é burocrática: os produtores do filme não teriam cumprido a tempo todos os requisitos para receber da Ancine um adiantamento para financiar a distribuição. Só que esses adiamentos eram liberados sem maiores burocracias há até pouco tempo. Curioso, não é mesmo?

Mais curioso ainda foi o “pedido” da embaixada brasileira em Montevidéu para que o festival Cinefest Brasil, do qual é patrocinadora, retirasse de sua programação o documentário “Chico – Artista Brasileiro”, sobre a vida e obra de Chico Buarque. Detalhe: o filme de Miguel Faria Jr. foi lançado em 2015 e já existe em DVD há muito tempo.

A produtora Inffinito, responsável pelo festival, não só ignorou o pedido, como programou “Chico” para a sessão de gala que irá encerrar o evento. Provavelmente, perderá o patrocínio do Itamaraty no ano que vem –mas a liberdade nunca é grátis.

Ameaças, intimidações, “pedidos”, entraves burocráticos, defesa da família e das crianças: a nova censura não encontra amparo em nenhuma lei, mas vem se manifestando de todas essas formas.

Resta saber se teremos a hombridade dos organizadores do festival no Uruguai e peitá-la de frente, ou se vamos nos trancar numa torre e fingir que essa onda não oferece perigo.

Tony Goes

Tony Goes tem 58 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem