Tony Goes

Netflix passa HBO em número de indicações ao Emmy, maior prêmio da televisão americana

Anúncio da Academia não teve maiores surpresas

Cersei Lannister (Lena Headey) em cena de "Game of Thrones"
Cersei Lannister (Lena Headey) em cena de "Game of Thrones" - Associated Press

Erramos: esse conteúdo foi alterado

Na manhã desta quinta-feira (12), começo da tarde no Brasil, a Academia de Artes e Ciências da Televisão anunciou, em Los Angeles, os indicados ao prêmio Emmy –o equivalente ao Oscar na TV americana. Foram dezenas de categorias, centenas de indicados e bem poucas surpresas. A premiação será em 17 de setembro

Como acontece todos os anos, muitos nomes já participaram da competição outras vezes. O Emmy costuma indicar o mesmo ator seguidas vezes pelo mesmo papel, e a tradição não foi quebrada em 2018. "The Crown", "Westworld", "This Is Us", "The Handmaid’s Tale", "Stranger Things"... A lista dos finalistas para melhor série dramática parece um repeteco do ano passado.

As diferenças são "Game of Thrones" –que não entrou em 2017 porque sua sétima temporada só foi exibida depois do período de votação (e, portanto, valeu para a premiação deste ano)– e a muito injustiçada "The Americans", que finamente foi reconhecida em sua derradeira temporada.

Entre as comédias, chamam a atenção a inclusão de dois novos títulos vindos do streaming: "Glow" (Netflix) e "The Marvelous Mrs. Maisel" (Prime Video). E uma ausência notável: "Veep" (HBO), que vinha faturando quase tudo já há um bom tempo, e que cuja sétima e última temporada só deve estrear em 2019.

Algumas categorias chegaram a ter oito indicados, o que até diminui um pouco a graça. Por outro lado, essa elasticidade reduz o número de injustiças flagrantes. Pouca gente vai dizer que seu programa favorito saiu de mãos abanando.

Se não houve maiores surpresas, aconteceu um fato novo. Na verdade, a realização de uma profecia óbvia: a Netflix finalmente ultrapassou a HBO no número de indicações. Por pouco, é verdade –a plataforma de streaming foi lembrada 112 vezes, enquanto que o canal pago, 108 (incluindo-se aí as categorias técnicas).

O fato é que estamos assistindo a mais uma troca de comando na vanguarda da televisão. Já vimos este filme antes. Em meados da década de 1990, a TV paga passou a superar os canais abertos no Emmy, liderada pela HBO. Ainda é da emissora o programa mais badalado desta safra: "Game of Thrones", com 22 indicações. Mas seu domínio finalmente foi vencido.

Era meio que inevitável a ascensão da Netflix, dado o volume de produções que o serviço lança toda semana. E tudo isso, em apenas seis anos –data de 2012 a primeira série original da plataforma, “Lillyhammer”.

Será que esse hiato irá aumentar nos próximos anos? Ciente da ameaça, a HBO promete reagir. Mas também terá que enfrentar o crescimento de outros serviços de streaming. A Hulu e a Prime Video (que deixou de usar "Amazon" na frente do nome), por exemplo, emplacaram, 27 e 22 indicações, respectivamente.

Também digna de nota é a performance dos canais abertos. A rede NBC conquistou 78 lembranças; a CBS, 34; a ABC, 31; e a Fox, 16. Entre os canais pagos, o único que teve um desempenho considerável foi o FX, com 50 indicações. O resto não chega a dois dígitos.

Se lidera em quantidade de indicações, suspeito que ainda não será dessa vez que a Netflix amealhará vitórias significativas. Entre as séries dramáticas, a disputa deve ficar entre "GoT" e "The Handmaid’s Tale" (Hulu), que venceu no ano passado.

Entre as comédias, meu palpite vai para "Atlanta" (FX). O protagonista Donald Glover está na crista da onda –ainda mais depois do clipe de "This Is America", de seu heterônimo na música, o rapper Childish Gambino.

Mas isso não quer dizer muita coisa. A leitura que importa mesmo é a suplantação da TV "linear", aberta ou paga, pelos serviços de streaming. Era carta marcada, e finalmente aconteceu.

ERRAMOS: O conteúdo desta página foi alterado para refletir o abaixo

Diferentemente do informado, a primeira série original da Netflix foi “Lillyhammer” (2012), e não “House of Cards" (2013).

Tony Goes

Tony Goes tem 56 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.blogspot.com

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem