Tony Goes

À primeira vista, participantes do "BBB13" não trazem novidades

Foram divulgados ontem os nomes, fotos e perfis de alguns dos participantes do "Big Brother Brasil 13", que estreia na próxima terça-feira (8). Lá estão velhos conhecidos nossos: o saradão, a periguete, o gay intelectualizado, a batalhadora, o boa-praça. A sensação de "déjà vu" é enorme, e olha que ainda nem foram anunciados os veteranos de edições passadas que retornarão à "casa mais vigiada do Brasil".

Conheça os participantes do "Big Brother Brasil" deste ano
Acompanhe as notícias do "BBB13" pelo Facebook

Esta coluna também está se repetindo. Ano passado eu já havia me queixado que o mix de "brothers" e "sisters" do "BBB12" era parecidíssimo com o das versões anteriores. Disse que o diretor Boninho tinha medo de arriscar, dando preferência, como sempre, a vencedores de concursos de beleza e a modelos que já posaram para ensaios sensuais.

É verdade que alguns candidatos do passado escapavam desse molde. Nem sempre deu certo: dois idosos foram escalados para o "BBB9", só para serem eliminados logo nas primeiras semanas.

Parece que é o próprio público quem prefere os corpos bonitos sem muita coisa na cabeça. Em outros países, não é assim: os "Big Brothers" internacionais costumam fazer recortes muito mais variados da sociedade, juntando pessoas de idades, classes sociais e mentalidades muito diferentes.


Ou melhor, costumavam. Mais de dez anos depois de ter sido criado pela produtora holandesa Endemol, o programa já deixou de ser exibido em inúmeros países. A gloriosa exceção, é claro, é o Brasil, onde a audiência vem caindo ano a ano, mas a repercussão continua enorme.

Se bem que o "BBB" quase foi para o saco em 2012, depois do escândalo do suposto estupro. A Globo, desacostumada com a velocidade das redes sociais, demorou para reagir e acabou piorando a situação. Mas aposto que aprenderam a lição.

O fato é que o "BBB" é uma mina de ouro, pois sua produção é relativamente barata. Por mais luxuosa que seja a casa, ela custa uma fração do que consomem os múltiplos cenários de uma única novela. Os prêmios são todos bancados pelos patrocinadores. E os concorrentes ganham um salário simbólico enquanto permanecem lá dentro.

E, goste-se ou não do "reality show", é inegável que ele ainda rende muito assunto. É por isto que os anunciantes ainda disputam a golpes de foice cada cota de patrocínio. Enquanto o "BBB" vender, ele continuará no ar.

Como espectador, torço para que a química entre os novos participantes renda momentos memoráveis no vídeo. Ano passado não rolou, e o público acabou dando a vitória a Fael, mais um representante da longa linhagem de campeões masculinos, brancos e de classe média.

Bem diferente do "BBB11", quando a desmiolada Maria Melillo engatou dois romances no ar: um malfadado, com Mau-Mau, outro feliz, com Wesley. Maria assumiu o controle da narrativa do programa e sagrou-se vitoriosa.

Qual será o tema deste ano? Qual dos candidatos assumirá o posto de protagonista? Impossível dizer agora, por mais que a imprensa vasculhe os perfis dos novatos no Facebook. Temo que venha mais do mesmo pela frente, mas adoraria me surpreender.

E encerro essa coluna com uma reclamação: pô, Boninho, cadê a Inês Brasil?

Tony Goes

Tony Goes tem 58 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias