Tony Goes

Quero ver John Malkovich

Se fosse estrelada por um ator desconhecido, a peça "The Infernal Comedy" dificilmente teria atraído tanta gente ao Theatro Municipal de São Paulo por três dias seguidos. É um espetáculo fora do comum: um monólogo onde um "serial killer" conta sua vida, entremeado por árias de ópera.

Acontece que o personagem é interpretado por John Malkovich. Um astro de Hollywood nos palcos brasileiros é uma raridade. À natural curiosidade despertada por sua fama, Malkovich acrescenta a reputação de ser um ator excepcional. Todo mundo quer vê-lo de perto, eu inclusive. E o cara não decepciona.

É ovacionado assim que entra em cena. E começa a conversar com o público num tom descontraído, mais para comédia "stand-up" do que para drama pesado. Parece improviso, mas não é: as legendas eletrônicas confirmam que faz tudo parte do texto.

Crédito: Nathalie Bauer/Divulgação O ator John Malkovich em cena de "The Infernal Comedy - Confissões de um Serial Killer"

"The Infernal Comedy" é baseada na história verídica de Jack Unterweger, que matou dezenas de mulheres e ainda escreveu uma autobiografia que se tornou best-seller. A ação se passa na noite de autógrafos do tal livro: Jack é visitado pelas lembranças das figuras femininas que marcaram sua vida, da mãe às muitas vítimas. São todas interpretadas por duas sopranos (na verdade, três, que se revezam nas récitas), acompanhadas ao vivo pela Musica Angelica Baroque Orchestra.

O resultado é que a todo momento o discurso do protagonista é interrompido pela música. Algumas vezes funciona bem, outras nem tanto. Apesar da beleza do repertório, o ritmo da peça emperra em alguns interlúdios.

Que é retomado quando o foco volta a Malkovich. Sua presença em cena é de fato magnética, e sua projeção de voz é excepcional. Estamos diante de um ator de verdade, carismático e em pleno domínio de seus talentos.

Talvez ele não seja o mais versátil do mundo: é difícil imaginá-lo num papel simpático. Sua especialidade são os vilões, os atormentados, os repelentes. "The Infernal Comedy" parece ter sido escrita sob medida para ele, para confirmar ao vivo o que já conhecíamos pelo cinema.

Não é um programa levinho, e as opiniões se dividiam à saída do Municipal. Mas quem foi esperando ver não só uma celebridade, mas um grande ator no auge de sua carreira, não se decepcionou. John Malkovich merece ser visto.

Tony Goes

Tony Goes tem 60 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias