De faixa a coroa
Descrição de chapéu miss brasil Miss Universo

Miss Brasil 2021: CE, PI e SE são as finalistas; vencedora será revelada na terça

Etapa brasileira do Miss Universo aconteceu pela 1ª vez em navio e não foi ao vivo

As misses Ceará, Teresa Santos, Piauí, Gabriela Lacerda, e Sergipe, Carol Valença, finalistas do Miss Brasil
As misses Ceará, Teresa Santos, Piauí, Gabriela Lacerda, e Sergipe, Carol Valença, finalistas do Miss Brasil - Fábio Luís de Paula/Folhapress
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

As misses Ceará, Teresa Santos, 23, Piauí, Gabriela Lacerda, 19, e Sergipe, Carol Valença, 27, formaram na tarde deste domingo (7) a tríade de possibilidades para ocupar o trono de Miss Universo Brasil 2021. Os nomes foram revelados pela apresentadora Cris Barth após o final do show de cerca de duas horas gravado no teatro do transatlântico MSC Preziosa, que transitou entre os litorais paulista e carioca no final de semana.

A vencedora, no entanto, será revelada apenas na noite de terça (9) a partir das 22h, na transmissão do espetáculo na plataforma de streaming Soul TV, pelo canal UMiss, e no Canal do Cliente (500) e canal Like (530) da Claro TV. Sem exibição ao vivo por conta do ambiente em alto mar, esta é a primeira vez do concurso, que seleciona uma representante do país para o Miss Universo, dentro de um navio. As 27 candidatas embarcaram na sexta (5) e participaram de ensaios e provas preliminares desde então.

"Gravamos três coroações e, enquanto estivermos a bordo do navio, vamos produzir material de divulgação de cada uma delas. Ninguém vai saber qual delas é a vencedora antes de terça. Nem as misses, nem o staff do concurso. Queremos que seja uma grande surpresa, e estamos empenhados nisso", explica Carlos Totti, diretor geral do canal UMiss.

Entraram ainda no grupo de finalistas as misses São Paulo, Bianca Lopes, 24, e Amazonas, Rebeca Portilho, 23, respectivamente em quarto e quinto lugares. Completam o Top 10 as representantes de Espírito Santo, Minas Gerais, Roraima, Santa Catarina e Tocantins. No Top 15 entraram ainda as misses Bahia, Distrito Federal, Pernambuco, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. A classificação está alinhada com a previsão dos quatro missólogos (especialistas em concursos de beleza) consultados pela coluna esta semana.

O Miss Brasil 2021 acontece quase três anos após a última competição presencial, que foi em março de 2019, em São Paulo. A atual organização assumiu em plena pandemia e aproveitou a retomada do evento para botar em prática um novo formato, tanto de seleção quanto de show.

"A ideia é deixar o concurso mais fresh e atual, sem esquecer de toda sua tradição e seu propósito, que é eleger uma brasileira competitiva para o Miss Universo", diz a diretora executiva Marthina Brandt (Miss Brasil 2015), que encabeçada o evento ao lado do empresário gaúcho Winston Ling.

Em dezembro próximo Israel vai sediar a próxima edição do Miss Universo, sendo que a última aconteceu em maio na Flórida (EUA). O curto espaço de tempo fez com que as misses deste ano fossem escolhidas de forma rápida. Mesmo assim, de acordo com o missólogo João Ricardo Camilo Dias, curador da página Miss Brazil On Board, esse é o melhor grupo de candidatas brasileiras dos últimos cinco anos.

Vale lembrar que a gaúcha Julia Gama, 28, atual vice Miss Universo, não esteve presente nas coroações. Na quinta (4) ela lamentou o cancelamento do convite para coroar sua sucessora, e apontou que a motivação da organização pode ter sido por preferências políticas. Segundo Gama, a gestão atual é bolsonarista, e ela não. A organização do Miss Universo Brasil nega a possibilidade, mesmo assim um exército de misses saiu em defesa de Gama nas redes sociais.

UM STREAMING SOBRE MISSES

Outra novidade da atual gestão do Miss Brasil é a centralização da produção de conteúdo audiovisual e a criação de um destino próprio para ele. Em operação de fato desde agosto, o canal UMiss, da plataforma de streaming SoulTV, promete disponibilizar séries, programas e shows sobre o universo das misses de forma gratuita.

"Até agora as pessoas assistiam apenas a um show anual de Miss Brasil, de pouco mais de duas horas. Elas não tinham acesso aos bastidores, preparo, seletivas e todas as vertentes que compõem o universo dos concursos de beleza. Nossa proposta é dar luz a toda a cadeia que culmina na realização desse show", explica Totti.

"Vamos ter programas que contam a história do concurso, além de conteúdo tematizado. Queremos utilizar o talento das misses e suas expertises para formatar produtos sobre beleza, moda, cultura, comportamento e muito mais", completa.

No final de outubro estreou no canal seu primeiro conteúdo próprio, a série "Behind The Crown". Com onze episódios de cerca de 30 minutos cada, a narrativa mistura os formatos de documentário e reality show e mostra os bastidores do Miss Universo Brasil. A primeira temporada, focada na edição deste ano do evento, já está com quatro episódios no ar e os capítulos restantes entrarão na plataforma sem cronograma exato até o fim de novembro.

Com opções ao vivo ou VOD (Vídeo On Demand) para ver quando quiser, o UMiss pode ser assistido pela internet. Por enquanto, o aplicativo homônimo está disponível para baixar nas lojas virtuais de devices com sistemas iOS e Android ou para smartvs Samsung e LG.

Ainda segundo o diretor geral, a SoulTV tem abrangência em 196 países e legendas em outros idiomas – funcionalidade ainda em desenvolvimento.

De faixa a coroa

Fábio Luís de Paula é jornalista especializado na cobertura de concursos de beleza, sendo os principais deles o Miss Brasil, Miss Universo, Miss Mundo e Mister Brasil. Formado em jornalismo pelo Mackenzie, passou por Redações da Folha e do UOL, além de assessorias e comunicação corporativa.
Contato ou sugestões, acesse instagram.com/defaixaacoroa e facebook.com/defaixaacoroa

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem