Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

De faixa a coroa
Descrição de chapéu miss brasil Miss Universo

Miss Brasil 2021: Especialistas apontam possíveis vencedoras para este ano

Missólogos dão suas impressões sobre as candidatas da edição deste ano

Candidatas a Miss Brasil 2021
Candidatas a Miss Brasil 2021 - Antares Martins/Divulgação
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Quase três anos após a última competição presencial, que foi em março de 2019, acontece neste final de semana o Miss Brasil. A etapa, que seleciona uma representante do país para o Miss Universo 2021, ocorre pela primeira vez dentro de um transatlântico e não terá exibição ao vivo. As 27 candidatas embarcaram no navio na sexta-feira (5) e participam de ensaios e provas preliminares desde então, para o show da final, que será gravado.

A coluna consultou quatro especialistas em concursos de beleza, conhecidos como missólogos, que analisaram a edição deste ano e também apontaram as possíveis vencedoras. Entre as misses citadas por eles, seis aparecem mais vezes como as favoritas para o pódio: Amazonas, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo (em ordem alfabética). Além delas, também foram mencionadas com destaque pelos experts as misses Bahia, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rondônia, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins.

"Como estudioso do mundo miss, eu sempre projeto possibilidades. O nível deste ano está altíssimo. Mesmo com estaduais ainda em fase de retomada, as coordenações conseguiram eleger fortes representantes", comenta Paulo Filho, preparador de misses e diretor da página Hora da Miss.

O jornalista capixaba Gustavo Cheluje tem uma opinião similar e acredita que a disputa será difícil, mesmo que avalie que as candidatas estão pouco preparadas. Ele também aposta que uma miss loira deve vencer este ano.

"Nosso país tem uma diversidade enorme, com várias etnias, cores e culturas. Olhando para as vencedoras da última década, acho que chegou a hora do Brasil voltar a eleger uma loira. Destaco também que as candidatas estão chegando um pouco despreparadas e que estados mais tradicionais decepcionaram um pouco".

Já na análise de João Ricardo Camilo Dias, curador do site Miss Brazil on Board, as representantes do Norte e Nordeste estão mais fortes este ano. Isso porque, para ele, as misses das outras regiões talvez não se enquadrem no conjunto que o Miss Universo procura para coroar em 2021.

Ele acredita que as características agora sejam diferentes do perfil da mexicana Andrea Meza, atual vencedora —ou seja, sem excessos latinos tradicionais. "O Miss Universo deve eleger uma miss com a cara do mundo, mais leve e fresh, que transmita a mensagem de valorização da identidade sem limitações culturais e padrão de beleza. Também que tenha boa capacidade de se comunicar, carisma e a vivacidade".

EM ALTO MAR

Sobre o novo formato do concurso deste ano, dentro do navio de cruzeiro da MSC, os especialistas têm opiniões incertas. Paulo Filho considera que o concurso em alto mar é inovador, mesmo que o cronograma tenha sido confuso. "A organização ousou nesta edição, mudou o formato de inscrição, centralizou o conteúdo audiovisual e, para fechar, ainda trouxeram a final para um navio. Eu gosto de mudanças e entendo que elas são necessárias para a evolução do segmento", diz.

Por sua vez, Camilo Dias observa que a condição inédita do cruzeiro tem um certo toque de romantismo, mas pode ser que não seja interessante que se repita. "Não sei se foi a melhor opção, mas acho que diante de tudo que a gente está vivendo com a pandemia tem uma assertividade. Houve um esforço gigantesco para realizar esse concurso, atendendo a uma exigência do Miss Universo. Eles não queriam que a miss fosse indicada novamente, então vi um grande senso de responsabilidade para tentar atender a isso", comentou.

O missólogo e preparador de misses Willian Freitas enfatiza ainda que é preciso considerar as dificuldades de se realizar um evento desse tipo. "Fazer concurso é muito difícil, bem mais do que as pessoas pensam. Fazer após uma pandemia global com certeza torna ainda mais complicado. A organização do Miss Universo Brasil tem feito um ótimo trabalho e é possível perceber os cuidados e carinho que eles tiveram para que as meninas fossem muito bem recebidas, o que é importante".

Em dezembro próximo, Israel vai sediar a próxima edição do Miss Universo, sendo que a última aconteceu em maio na Flórida (EUA). O curto espaço de tempo fez com que as misses deste ano fossem escolhidas de forma rápida.

Mesmo assim, ainda de acordo com Camilo Dias, esse é o melhor grupo de candidatas brasileiras dos últimos cinco anos. "A escolha do grupo das 27 meninas foi feita a toque de caixa. Mas, no final das contas, eu vejo um grupo muito bom e interessante, talvez seja o melhor dos últimos cinco anos, na minha opinião, e isso por si só já é uma grande vitória."

De faixa a coroa

Fábio Luís de Paula é jornalista especializado na cobertura de concursos de beleza, sendo os principais deles o Miss Brasil, Miss Universo, Miss Mundo e Mister Brasil. Formado em jornalismo pelo Mackenzie, passou por Redações da Folha e do UOL, além de assessorias e comunicação corporativa.
Contato ou sugestões, acesse instagram.com/defaixaacoroa e facebook.com/defaixaacoroa

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem