De faixa a coroa

Ex-BBB Kamilla Salgado relembra pressão por padrões quando foi coroada Miss Brasil Mundo

Modelo foi a primeira representante do Pará a vencer a competição

Kamilla Salgado Instagram/kamilla_salgado

Um dos principais destaques do mundo miss, Kamilla Salgado celebra dez anos de seu título neste ano, e desde que o Pará chegou, pela primeira e única vez, à vitória do Miss Brasil Mundo. Ainda criança, ela começou a concorrer até brilhar no maior concurso de seu estado, o Rainha das Rainhas, e ter a sua vida transformada.

"Com 17 anos eu participei do concurso mais tradicional de Belém e ganhei. Isso me deu muita força para participar de todos os concursos, pois o Rainha é como se fosse uma Copa do Mundo no meu estado. Ganhava-se ali, não só prestígio na cidade e no estado inteiro, mas também carro, joia, bolsa de estudos e muita coisa na época. Isso deu um boom na minha carreira e foi aí que tudo começou a mudar”, diz Salgado, em entrevista à coluna

Antes de chegar à disputa regional, sua grande motivação era, curiosamente, uma boneca –prêmio que almejava no começo. Mas suas participações lhe renderam uma bolsa em uma agência de modelos local, o que se desdobrou em convites para fazer inúmeros encartes publicitários para lojas de departamentos em datas comemorativas.

"Tinha dez anos quando participei do meu primeiro concurso, que era de um clube infantil. Eu era louca pela boneca Barbie, brincava o dia inteiro até antes de dormir, e minha mãe tinha que brigar para eu parar. E nesses concursos infantis, o prêmio era uma Barbie, e isso me fazia participar de todos, pois eu queria ganhar uma nova boneca para brincar com as minhas irmãs", recorda.

Pouco tempo depois, Salgado se jogou no universo das faixas e coroas. Tornou-se Miss Pará e, então, foi representar seu estado no Miss Brasil Mundo 2010. Ela tinha 21 anos na época, já era formada em administração de empresas e fazia trabalhos como modelo e na empresa de sua mãe.

"Fui a primeira Miss Brasil Mundo com formação superior, o que rendeu muita repercussão na mídia e chamou a atenção de muita gente. Cheguei a ir, inclusive, no programa da Hebe para falar sobre o projeto social que levei para a competição, que ajudou muita gente na minha cidade", diz Salgado.

Uma das dificuldades durante o reinado foi lidar com imposições de padrões de corpo. Para o nacional, ela se cuidou muito e venceu a prova preliminar de traje de banho, que premiava o melhor corpo. Porém, a pressão era um quesito que incomodava.

"Eu me esforcei muito na época com meu corpo. Fui miss numa época em que os padrões eram muito rígidos. Era muito forte essa coisa de 90-60-90, muito regrado essa coisa de medidas. A Natália Guimarães tinha acabado de ser vice em 2007, e aquele padrão de mulher alta, magra, era muito presente", analisa.

FEMINISMO E BBB

Sobre os novos padrões dos concursos de miss, que agora colocaram habilidades de comunicação e posicionamento ideológico à frente de padrões estéticos, Salgado concorda que era algo necessário. Ela pondera que o feminismo, de certa forma, sempre existiu, apesar de nunca ter ficado em evidência como nos dias atuais.

"Engraçado que o assunto feminismo hoje está em alta, mas quando eu fui Miss Brasil era também o assunto que mais se falava. Quando as meninas ganham o miss estão entrando na faculdade ou ainda prestando vestibular. E eu já tinha formação superior, trabalhado, falava inglês e isso mostrava que não era só a beleza, mas uma miss com conteúdo. Isso ajudou muito a mudar o estereótipo da miss, que todas as participantes sofrem, que é de uma mulher bonita que não tem qualidades além da estética."

Toda essa exposição foi um pulo para aparecer a oportunidade de apresentar um programa de TV na sua região. Salgado comandou o Alto Astral por um ano até receber convite para partiicipar do BBB. Na edição de 2013, a belenense também conheceu Eliéser Ambrósio, 35, com quem se casou em 2016. Mais tarde, em 2019, ambos participaram novamente de um reality, o Power Couple, da Record.

"Com o Alto Astral voltei minha carreira para comunicação e jornalismo. Eu me mudei para São Paulo, e fiz teatro, coaching, cursos, tirei DRT, fiz pontas em programas de TV e comerciais. Estava em Belém quando me chamaram para a seletiva do BBB. Entrei pela casa de vidro e fui uma miss dentro do BBB. Adorei minha participação e não me arrependo de nada. Tudo que eu vivi lá foi intenso. Aprendi muito com meus erros e até mesmo com a exposição dentro e fora da casa, o que mudou completamente minha vida."

Hoje, aos 32 anos, a modelo Kamilla Salgado se formou em jornalismo e apresenta o programa Nação Esportiva na TV Osasco, na Grande São Paulo, e mantém presença em peças publicitárias, principalmente pelas redes sociais. Ela afirma ainda que recebe convites para ser jurada em concursos de beleza, e dá a dica para quem tem como sonho ser miss.

"Quem quer muito uma coisa, vai lá e consegue. Eu sou de um estado que não tem a menor tradição de ganhar miss. Eu tinha um sonho que nasceu comigo. Fui fazendo ele se realizar aos poucos e hoje estou aqui. Não sou de uma família rica nem nada, mas sempre corri atrás, e minha dica é que aposte todas as suas fichas, aposte muito no seu potencial e nos estudos, que podem te dar informações ilimitadas."

De faixa a coroa

Fábio Luís de Paula é jornalista especializado na cobertura de concursos de beleza, sendo os principais deles o Miss Brasil e Miss Universo. Formado em jornalismo pelo Mackenzie, passou por Redações da Folha e do UOL, além de assessorias, como a da Fox.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem