Zapping - Cristina Padiglione

'Totalmente Demais' assume vice-liderança na exportação de novelas brasileiras

No exterior, novela de Paulo Halm e Rosane Svartman só perde para 'Avenida Brasil'

Eliza (Marina Ruy Barbosa) e Jonatas (Felipe Simas)
Eliza (Marina Ruy Barbosa) e Jonatas (Felipe Simas) - Artur Meninea/TVGlobo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

De Rosane Svartman e Paulo Halm, "Totalmente Demais" (2015) assumiu a vice-liderança no ranking das novelas brasileiras mais exportadas, perdendo apenas para "Avenida Brasil", de João Emanuel Carneiro, que já foi levada a mais de 150 países.

O enredo protagonizado por Marina Ruy Barbosa, Felipe Simas, Fábio Assunção e Juliana Paes foi vendido para 135 países, mostrando-se universal. Quanto mais uma história tiver condições de ser bem compreendida em qualquer lugar e de gerar identificação em várias regiões, melhor será o seu desempenho de vendas, desde que, é claro, seja uma boa história, premissa básica para atrair público.

Além do alcance que derruba fronteiras, "Totalmente Demais" também se mostra quase atemporal, tendo sido reprisada pela Globo no início da pandemia, com ótimas performances de audiência. De todas as reapresentações desse período, foi a que mais conseguiu manter os índices do horário ocupado, no caso, a faixa das 19h.

Dos mesmos autores, a novela "Bom Sucesso", mais recente, também vai bem em vendas no exterior, tendo ultrapassado 60 países. Como o título remete a um bairro carioca, o nome sofreu mudanças lá fora. Na Polônia, por exemplo, o folhetim foi rebatizado como Paloma, nome da personagem de Grazi Massafera.

A coluna fez um levantamento dos países que já compraram "Totalmente Demais" e encontrou destinos impensáveis para os brasileiros, tais como Zimbábue, Congo, Botswana, Luxemburgo, Kosovo, Iraque e Serra Leoa. Confira a lista completa abaixo:

África do Sul, Albânia, Alemanha, Algeria, Andorra, Angola, Anguilla e Barbuda, Antilhas Neerlandesas, Arábia Saudita, Aregentina, Armênia, Aruba, Azerbaijão, Bahamas, Bahrein, Barbados, Bélgica, Benin, Bermuda, Bolívia, Botwana, Bulgária, Burquina Faso, Cabo Verde, Canadá, Catar, Chade, Chile, Colômbia, Comores, Congo, Coreia do Sul, Costa Rica, Croácia, Djibouti, Dominica, Egito, El Salvador, Emirados Árabes, Equador, Eritrea, Espanha, Estado da Palestina, Estados Unidos, França, Gabon, Gambia, Gana, Geórgia, Grécia, Grenada, Guadalupe, Guatemala, Guiana, Guiné Equatorial, Guiné Bissau, Guiné-Bissau, Haiti, Honduras, Hungria, Iémen, Ilhas Caribe, Ilhas Cayman, Ilhas Turcas e Caicos, Ilhas Virgens Americanas, Ilhas Virgens Britânicas, Índia, Indonésia, Irã, Iraque, Israel, Jamaica, Jordânia, Kenia, Kosovo, Kuwait, Lesoto, Letônia, Líbano, Libéria, Líbia, Luxemburgo, Macau, Macedônia, Madagascar,
Malauí, Mali, Marrocos, Martinica, Maruício, Mauritânia, México, Mônaco, Montserrat, Namíbia, Nicarágua, Nigéria, Omã, Panamá, Paraguai, Peru, Polônia, Porto Rico, Portugal, República Central da África, República Dmocrática do Congo, República Dominicana, Romênia, Ruanda, Rússia, Santa Lúcia, São Cristóvão e Nevis, São Martin, São Tomé e Príncipe, São Vicente e Granadinas, Seichelles, Senegal, Serra Leoa, Síria, Somália, Suazilândia, Sudão, Sudão do Norte, Sudão do Sul, Togo, Trindade e Tobago, Tunísia, Ucrânia, Uganda, Uruguai, Venezuela, Vietnã, Zâmbia, Zanzibar e Zimbábue.

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem