Zapping - Cristina Padiglione
Descrição de chapéu humor

Cecil Thiré esteve entre os primeiros atores a encarar papel gay em novela

Ator, que morreu nesta sexta, causou furor como Mário Liberato em 'Roda de Fogo'

Os atores Claudio Curi e Cecil Thiré em cena da novela "Roda de Fogo", de Lauro César Muniz. - Reprodução

Filho único do casamento entre Tônia Carrero e o artista plástico Carlos Arhur Thiré, o ator Cecil Thiré morreu nesta sexta-feira (9), aos 77 anos, enquanto dormia em sua casa, no bairro do Humaitá, no Rio. Fazia alguns anos que ele vinha enfrentando a doença de Parkinson, e foi visto em cadeira de rodas em uma homenagem à mãe em 2018.

Entre os mais de 30 papéis para a TV, Thiré fez história como Mário Liberato em “Roda de Fogo” (1987), novela de Lauro César Muniz. Homossexual, o personagem era, até aquele momento, o que mais havia evidenciado para o público a sua orientação sexual em uma telenovela, embora camuflasse essa característica entre os personagens da trama. Fizeram barulho as cenas entre ele e o mordomo vivido por Cláudio Curi.

Em “A Próxima Vítima” (1995), de Silvio de Abreu, interpretou Adalberto, o assassino buscado ao longo de toda a trama. Esteve em “Escalada”, “Champagne”, “O Salvador da Pátria”, “Top Model”, “Celebridade”, “Labirinto”, “Zazá” e em várias novelas e séries da Globo. Em “Sassaricando” (1988), atualmente em exibição no canal Viva, contracenou com a mãe.

Cecil se mudou para a Record em 2006, onde fez “Cidadão Brasileiro”, “Vidas Opostas” e “Poder Paralelo”. Ao perder o contrato de longo prazo com a emissora, moveu um processo trabalhista contra a empresa e venceu.

Seu último trabalho foi na série “E Se Eu Fosse Você”, produção para a FOX. Cecil deixa quatro filhos e sete netos.

Tonia Carrero, com o filho, Cecil Thire, e a neta Luiza Thire - Daniel Marenco - 09.ago.13/Folhapress

DE VOLTA

Com contrato ainda a vencer no SBT no final do mês, Roberto Cabrini já tem destino certo na Record, onde já esteve no passado. O acordo deverá ser sem prazo, para que ambas as partes possam rompê-lo quando e como quiserem.

UMA JANELA

Fecha-se uma porta e... Mamma Bruschetta voltou a participar do Melhor da Tarde com Cátia Fonseca, pela Band, na tarde desta sexta-feira (9) e foi surpreendida por um convite da apresentadora, ao vivo. “Conseguimos uma coisa”, avisou Cátia, pedindo de antemão: “Mas não precisa chorar”.

Cátia Fonseca propôs a Mamma, dispensada pelo SBT na quarta (8) que ela participe de seu programa duas vezes por semana, se possível, diretamente de sua casa, para que ela possa tocar o seu tratamento contra o câncer. Parceira de Cátia dos velhos tempos na Gazeta, Mamma caiu no choro, ao vivo.

AUDIÊNCIA

10,5 ponto
teve o Jornal Hoje, em versão ainda estendida, na quinta-feira (8), provando que ainda rende mais êxito à Globo do que o engavetado “Se Joga”, programa que concorria com o Balanço Geral até março

15 pontos
marcou A Fazenda na quinta (8), o que reforça o recorde desta edição desde 2011. A eliminação do Cartalouco deu à Record 43 minutos de liderança e bateu o Jornal da Globo por 15 x 11 pontos

A BOA DO DIA

‘Escolinha do Raimundo’ ganha especial sobre ensino a distância
Canal Viva, às 22h

Escolinha do Professor Raimundo 2019 - Professor Raimundo (Bruno Mazzeo). - Estevam Avellar/Globo

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem