Bate-Papo na Web

Realidade acelerada é causa do mal-estar generalizado

Na quarentena, aumentou o uso das redes sociais e a falta de tempo

Aplicativo do Instagram em um celular - Reuters
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Fez um ano que a pandemia chegou ao Brasil, com o saldo trágico de 250 mil mortos até agora. Quem teve o privilégio de não morrer ou de não ter a sua vida devastada pelo luto e pelo desemprego recorde –o que infelizmente aconteceu com milhões de famílias–, provavelmente teve um ano muito menos produtivo do que imaginava no começo.

Pelo que ouço por aí, os planos de aproveitar a quarentena para botar a casa em ordem, ler todos os livros acumulados e assistir a todos os filmes e séries da Netflix ficaram pelo caminho de muita gente. Foram substituídos pela realidade insana de dividir o tempo entre o home office, a faxina e a ajuda aos filhos nas aulas online– e pela tentativa de sobreviver mantendo a sanidade mental num país que só afunda num mar de ódio, mentira e ignorância. Neste novo mundo, quem não está ansioso ou deprimido não é normal.

Temos uma longa lista de causas para o mal-estar generalizado, mas uma das que merecem estar no topo é justamente o tempo, ou melhor, a falta dele. E um dos principais culpados da existência desse problema, acredito, são as redes sociais. Você já marcou quantos minutos ou horas perde a cada vez que dá uma olhadinha no Facebook ou no Instagram? Você não fica com aquela sensação de que está perdendo alguma coisa se não entrar várias vezes por dia no Twitter? Sinceramente, você tem a mesma concentração no trabalho ou no estudo que tinha antes do advento do WhatsApp, pipocando de notificações ao seu lado a cada dois segundos?

Em meio ao isolamento social, parece que a frequência do uso das redes sociais só aumentou. O que, por um lado, é plenamente justificável como uma forma de manter laços familiares e de amizade na impossibilidade de encontros presenciais. Mas, por outro, há muito prejuízo emocional, ainda por ser mensurado, nesse tempo que é drenado pelo mundo digital.

Como defendeu o filósofo Paul Virilio (1932-2018), já não vivemos o presente, vivemos o instante de uma realidade acelerada. E isso nos impede de ver a realidade, inclusive a diferença entre verdadeiro e falso. Como o tempo humano é esmagado, dizia ele, não vemos nada.

Bate-Papo na Web

Alessandra Kormann é jornalista, tradutora e roteirista. Trabalhou sete anos na Folha.
Desde 2005, é colunista do Show!, do jornal Agora.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem