Bate-Papo na Web

Administrar vida digital toma tempo, mas há como evitar que a caixa de email fique cheia

Marcar mensagens indesejadas como spam é uma delas

Ilustração
Max Francioli

Recebo emails de propaganda e perco tempo deletando tudo, mas a caixa vive cheia. O que fazer? Leonel, 64

Alguém já disse que a tecnologia surgiu para resolver problemas que a gente não tinha antes de ela ser inventada... :) De fato, administrar nossa vida digital toma tempo. Mas, dp que a gente consegue se organizar, a internet, em geral, mais ajuda do que atrapalha. Isso se a pessoa não se viciar... Mas isso é outra história.

Há várias formas de evitar que sua caixa de entrada viva cheia. A primeira é marcar os emails indesejados como spam (mensagens não solicitadas). Vi que vc usa o Gmail. Marque todos os quadradinhos ao lado das mensagens que não quer receber. Em seguida, na linha com vários ícones na parte de cima da tela, clique no sinal de uma placa de trânsito com uma exclamação dentro (“Denunciar spam”).

A mensagem é enviada para a caixa de spam e as próximas daquele remetente tb devem ir para lá. No entanto, às vezes o sistema não funciona por vários motivos. Nesse caso, vc pode criar um filtro e jogar as novas mensagens que chegarem direto para a lixeira.

Clique no ícone de uma engrenagem no canto direito superior e dp em “Configurações”. No menu na linha superior, selecione “Filtros e endereços bloqueados”. Dp clique em “Criar novo filtro”. Na linha “De”, digite o email do remetente indesejado e dp clique em “Criar filtro”. Na próxima tela, marque “Excluir” e “Criar filtro”. Pronto.

Outra ideia é criar um email só para preencher cadastros em sites de compras, eventos etc. E divulgar o seu email pessoal apenas para aqueles com quem realmente deseja trocar mensagens.

Bate-Papo na Web

Alessandra Kormann é jornalista, tradutora e roteirista. Trabalhou sete anos na Folha de S.Paulo. Desde 2005, é colunista da Revista da Hora, do jornal Agora.

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem