Aventura na cozinha

Aprenda a preparar rosbife clássico, que pode ser servido quente ou frio

Versão gelada é ótima dica para o verão e fica perfeita com saladas

Rosbife clássico

Rosbife clássico Juliana Ventura/Folhapress

Olá, cozinheiros! Bem-vindos a mais uma aventura na cozinha!

O calor chegou com força, pelo menos na capital paulista, e confesso que, nesses momentos, prefiro alface a hambúrguer ou qualquer prato fumegante, para falar a verdade. Mesmo dias mais frescos na estação mais quente do ano pedem comidas que não pesem no estômago, como saladas. Agora, se você é do tipo que não dispensa uma carne vermelha, esteja 40ºC ou 10ºC, pode se beneficiar da dica hoje, pois vamos falar de carne fria.

Não torça o nariz, pois não se trata daquele pedaço de picanha que esfriou depois de ser assada na brasa e ressecou no balcão. O rosbife é uma preparação que, apesar de poder ser consumida quente, parece que nasceu para ser servida fria. Receita clássica da cozinha britânica, o “roast beef” é um dos pratos ícones do país, e sua criação vem do século 15, quando grandes pedaços de carne eram assados no espeto sobre uma fogueira por cerca de quatro horas.

Hoje em dia, o modo de fazer mudou. Claro que é possível fazer o rosbife como churrasco, mas o método mais comum é um híbrido entre frigideira e forno. Não há complicações na receita, mas é preciso prestar atenção ao ingrediente para não acabar com uma carne passada de menos ou demais.

O grande truque é selar a peça inteira de filé mignon em uma frigideira bem quente antes de colocar em uma assadeira e levar ao forno --rosbife de lagarto também é sensacional, porém, pede fatias bem finas por ser uma carne mais dura. Essa selagem não tem a ver com manter os sucos na carne, mesmo porque o calor alto da panela faz com que a peça perca mais umidade do que se fosse submetida a um fogo mais baixo. A técnica é mesmo empregada para que o rosbife ganhe os deliciosos sabores que só vêm quando se tosta a carne bovina.

O tempo de forno pode variar de acordo com seu fogão. Se apertar a peça e ela ainda estiver muito macia ou soltando muito líquido e você não gostar de carne mal passada pode ser interessante deixar alguns minutos a mais. No entanto, o tradicional rosbife tem, sim, o centro bem rosado. Para quem está novamente fazendo cara de não gosto, lembre-se de que a carne vai ser servida fria. Dessa maneira, terá descansado e não soltará os sucos ao ser fatiada. Em resumo: o rosbife frio se mantém suculento, mas não fica “sangrando”.

Então, vamos para a cozinha? Até a próxima!


ROSBIFE COM MOLHO DE MOSTARDA

Dificuldade: Médio
Rendimento: 6 pessoas

Ingredientes:
1 peça de filé mignon de aproximadamente 1 kg
130 g de iogurte grego não adoçado
2 colheres (sopa) de manteiga sem sal
1 e ½ colher (sopa) de mostarda dijon
1 colher (sopa) de azeite de oliva
1 colher (sopa) de maionese
Azeite para fritar a carne
Sal e pimenta-do-reino a gosto

MODO DE FAZER

  1. Limpe a peça de filé mignon em temperatura ambiente com uma faca afiada e seque com papel toalha.

  2. Tempere com sal e pimenta-do-reino e deixe descansar por cerca de 15 minutos. Pincele a carne com azeite o suficiente para cobrir a superfície.

  3. Em uma frigideira bem quente, doure a peça inteira de carne de todos os lados. Isso deve ser cerca de dois a três minutos por lado.

  4. Coloque a carne em uma assadeira, coloque a manteiga sobre a carne e leve ao forno pré-aquecido em 200ºC por 25 a 30 minutos.

  5. Retire do forno e deixe esfriar antes de fatiar.

  6. Para o molho, misture o iogurte, a maionese, a mostarda e o azeite até ficarem homogêneos. Tempere com sal e pimenta a gosto.

(A)ventura na cozinha

Juliana Ventura, 36, é jornalista formada pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), pós-graduada em gastronomia pela Universidade Anhembi Morumbi e professora de culinária para crianças.
email: aventuranacozinha@grupofolha.com.br
Instagram: @venturanacozinha

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem