Cinema e Séries
Descrição de chapéu Cinema

Martini com Kris Jenner e viagens pelo mundo: a vida com a família Kardashian

Reality Keeping Up with the Kardashian chega a sua reta final

Irmãs Kardashian-Jenner Reprodução/Twitter/@CalvinKlei

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Lançado em 2007, sem grandes pretensões, Keeping Up With the Kardashians chega a sua reta final como um sucesso. Não apenas por acumular 20 temporadas e muito luxo e glamour, mas por ter redefinido o que é ser celebridade no mundo de hoje.

A família Kardashian-Jenner era conhecida até então pelo patriarca, Robert Kardashian, já falecido que defendeu o jogador de futebol americano O.J. Simpson de uma acusação de assassinato e pelo vídeo de sexo de Kim com o então namorado Ray J, que vazou e inundou a internet.

Mas foi com o reality no canal E! que a família deslanchou. A própria Kim entrou neste ano para a lista de bilionários da revista Forbes, tanto por sua marca de cosmético quanto pelos acordos publicitários provenientes do programa.

Farnaz Farjam, produtora do reality desde o início, afirma que “de alguma forma” sempre acreditou que o programa teria essa longevidade. “Na 8ª temporada, Kim e eu costumávamos brincar que queríamos ver a 20ª, e foi isso o que fizemos!”, diz.

Farjam conheceu a socialite, e agora empresária, por meio de Paris Hilton, que na época estrelava o reality “Simple Life” (2003-2007), também produzido por Farjam. Mas, segundo a revista Variety, Keeping Up With the Kardashian só saiu do papel graças à matriarca, Kris Jenner.

Dona de um ótimo faro para negócios, Kris teria aceitado expor o dia a dia da família como forma de promover duas lojas que tinha na época. “Mas a certa altura, ela percebeu que as lojas não eram as marcas, mas a família era a marca”, disse Farjam à publicação.

“Ela usou todos os seus recursos e pessoas que conhecia na indústria e descobriu como navegar. Ela é muito inteligente. Acho que ela entrou no negócio com uma intenção maior, mas não acho que ela sabia o quão grande isso iria se tornar.”

Agora, na 20ª e última temporada, Farjam afirma ter “muitas coisas boas para dizer” sobre o programa e a família. “Tenho conseguido viajar pelo mundo todo, ir aos lugares mais exclusivos, fazer amigos para a vida toda e episódios incríveis”, diz.

Em entrevista cedida ao F5 pelo canal E!, a produtora revela curiosidade dos bastidores do programas, como que Kim é o membro da família que mais gosta de aparecer diante das câmeras, enquanto Kylie Jenner é a que menos gosta.

Já sobre o que mais sentirá falta, Farjam afirma que é o Martini que tomava com Kris Jenner no final das filmagens. Mas, com um novo contrato com a plataforma de streaming Hulu, novos spin-offs da família mais famosa e glamourosa do mundo podem surgir. Veja trechos da entrevista abaixo.

Você pode nos dar algumas ideias sobre os próximos episódios do KUTWK?
Obviamente fizemos muitos episódios que são nostálgicos porque a série está terminando, e acho que a família e a equipe ficaram muito tristes. Nós fizemos uma última viagem em família, acabamos indo para Lake Tahoe por causa da pandemia.

Há muitas boas lembranças, há uma pequena amostra do que será a nova vida da Kim, comemoramos o aniversário de muitas pessoas --na época em que estávamos filmando, Kris Jenner, Kendall, Kim e Caitlyn fizeram aniversário. De todos eles, Scott provavelmente viveu os momentos mais difíceis com o final do programa, e dá para testemunhar isso. Ainda há muito a descobrir nesta temporada!

Sabemos que Andy Cohen será o anfitrião do Kardashian Reunion no final, mas o que podemos esperar do último episódio do KUWTK?
O último episódio mostra a família encerrando este capítulo de suas vidas. Cada um escolhe um momento que foi especial para eles e nos conta porque o considera assim, e então a cortina final cai.

No episódio 7 da 20ª temporada do KUWTK, vimos o anúncio da família sobre o encerramento do programa. Como foi esse momento? O que você sentiu durante o discurso?
Eu estava muito nervosa, pois soube disso no fim de semana anterior. Estive lá desde o primeiro dia, grande parte da equipe esteve lá por oito ou dez anos, e a maioria deles por pelo menos cinco anos. Todos eles trabalharam muito bem juntos, então o final do programa de alguma forma foi como a separação de uma banda.

A indústria da tevê é muito independente, mas não foi assim com Keeping Up With The Kardashians, continuava sendo escolhido ano após ano pela audiência, por isso todos continuamos trabalhando juntos por tanto tempo e foi ótimo. A equipe também se tornou uma família. Eu sabia que o discurso iria acontecer e iríamos informar toda a equipe, então fiquei muito emocionada, pensando em como a pequena família de trabalhadores teria que se separar. Obviamente, muitas pessoas trabalharão juntas novamente em outros programas, mas foi emocionante.

Durante todas as temporadas, que momento foi o mais memorável de filmar?
Um dos meus momentos mais memoráveis foi o momento do lábio de Kris Jenner. Ela não queria filmar porque seu lábio estava inchado, mas ela entendeu que estávamos de férias com a família e era isso que nesse momento estava acontecendo com ela, que ela só tinha de seguir em frente. O que eu quero dizer é que há muitos episódios que adoro.

E o mais engraçado ou o mais louco de filmar?
Na temporada logo após o divórcio de Kim, queríamos que ela se divertisse novamente. Então, ela fez todas aquelas coisas em que usava perucas malucas e era brincalhona e muito alegre.

Você se lembra de alguma anedota durante as filmagens que não tenha entrado na série, mas que você gostaria que tivesse aparecido?
Na verdade, não, sinto que sempre incluímos as melhores partes.

Que Kardashian gosta mais de estar na frente das câmeras?
Eu diria que a Kim.

E quem menos gosta de estar na frente de uma câmera?
Eu acho que a Kylie é a que menos gosta, embora ela esteja bastante presente durante a temporada final, provavelmente porque é a 20ª temporada e é o fim do programa. Se você pensar nas viagens recentes da família, Kylie não esteve presente, mas ela veio para a última e definitivamente estava mais presente nesta temporada.

Quem de todos é o mais imprevisível?
Elas são todas imprevisíveis. Você nunca conhece as voltas que a vida dá. Acho que Khloe já passou por muita coisa. Kourtney trabalhou muito em suas emoções durante as temporadas 19 e 20. Nesta última temporada, ela veio com uma atitude nova e mais fresca, ela foi muito positiva e quer viver bem a sua vida. É lindo quando comparado ao que ela viveu na temporada 19. Eu diria que todas se doaram e trouxeram muito amor à 20ª temporada.

E qual foi o momento mais comovente? Você pode nos dar um exemplo?
Eu diria que Kim sempre dá os presentes mais emocionantes para sua família. Khloe é sempre a mais atenciosa no que diz respeito à equipe, ela faz coisas muito boas. Um de nossos produtores, depois de viajar para a África do Sul, foi parar no hospital e teve que pagar uma conta de US$ 15 mil (R$ 78 mil). Ele ficou muito estressado e Khloe fez um cheque para que ele pudesse pagar as despesas.

Qual é o melhor conselho que a família lhe deu?
Elas me ensinaram a ser forte. Estou com elas há tanto tempo que muitas vezes falam comigo como se eu fosse parte da família. Elas me ensinaram a ser forte e a reconhecer quando algo não é pessoal.

O que vem por aí para você desde que a série acabou?
Ainda sou vice-presidente executiva da [produtora] Bunim/Murray, portanto, supervisiono vários programas no momento.

O que você sentiu quando soube que Keeping Up With The Kardashians estava terminando depois de todos esses anos?
Fiquei extremamente triste, mas sabia que era hora de acabar.

Quais foram os prós e os contras de fazer Keeping Up With The Kardashians?
Tenho muitas coisas boas para dizer. Tenho conseguido viajar pelo mundo todo, ir aos lugares mais exclusivos, fazer amigos para a vida toda, fazer episódios incríveis como quando elas se fantasiaram ou o episódio dos sem-teto. Pudemos fazer coisas significativas, bem como destacar as incríveis histórias da família, que sei que foram de grande ajuda para diferentes pessoas, porque me disseram mais tarde que o programa as ajudava com os problemas que tinham em casa.

Portanto, há muitos pontos que são bons e ajudam as pessoas. Estou com essa família há 14 anos e quando você é uma produtora tentando contar suas histórias, às vezes surgem brigas com elas. Mas no final do dia elas me amam e eu as amo. Nós continuamos, mesmo que nem todo dia seja bom. Há momentos em que é desafiador. Cada uma tem suas necessidades especiais.

Falando nisso, sendo uma família tão grande, você pode descrever em uma palavra como é trabalhar com Kim, Kourtney e Khloe? O que as define?
Adoro trabalhar com elas. Nem sempre é fácil, às vezes encontrar um dia para nos ver é difícil porque elas viajam muito, isso só já é um desafio. Mas são todas muito profissionais, muito responsáveis, comunicam tudo de uma forma boa, com respeito, então gosto de trabalhar com elas. Já trabalhei em outros programas onde o desafio não era tão profissional e onde eu tinha que tirar as pessoas da cama, acordá-las, fazer todas aquelas coisas que nunca tive que fazer com essa família, pois são todos superprofissionais.

Você acha que um reboot do programa será possível dentro de uma década?
Nunca diga nunca! Potencialmente, acho que elas estarão abertas para fazer algo assim. Eu acho que é uma possibilidade.

Você trabalha com elas há muitos anos, você é como um membro da família. O que você mais sentirá falta de fazer o KUWTK?
O que vou sentir falta? Vou sentir falta de uma taça de Martini no final das filmagens com Kris Jenner.

O que você acha que é diferente no KUWTK em comparação com outros reality shows sobre famílias e Hollywood?
Eu acho que é tão diferente por causa de como elas interagem umas com as outras. E como cada uma é diferente. É realmente uma família em que todas têm um nome, mas ainda assim se amam e têm o apoio uma da outra, independentemente das circunstâncias. Acho que a diferença está em como elas encaram suas vidas e como são quando estão juntas. As pessoas assistem ao programa e querem fazer parte da família.

Você pode nos contar sobre o episódio mais feliz de que você se lembra? O mais triste? Ou o mais polêmico? Quais são aqueles episódios que você sempre lembra?
Acho que o episódio mais triste foi aquele em que Kim foi roubada. Isso foi um choque, pois não podíamos acreditar que algo assim tivesse acontecido com alguém como ela. Você pode ver como foi difícil para Kim. Eu diria que foi o mais triste. Meu episódio favorito... bem, eu tenho vários. Obviamente eu amei aquele com os sem-teto. Mas o meu favorito tem que ser o da República Dominicana, quando Kris Jenner tem aquela reação alérgica no lábio e fica parecendo o Bart Simpson.

Naquela manhã ela me ligou e disse que não desceu do quarto porque teve uma reação alérgica. Então eu corri, ela apontou o lábio com a mão, da mesma forma que ela fez depois na frente da câmera, e eu caí no chão de tanto rir. E eu disse que ela tinha que filmar e mostrar sua reação alérgica para sua família exatamente da mesma maneira que ela havia mostrado para mim. Ela aceitou muito bem. Foi um daqueles momentos que sempre vou lembrar, que sempre me faz rir, que me faz amá-las porque estão dispostas a serem autocríticas e transparentes.

Traduzido originalmente do espanhol por Azahara Martín Ortega.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem