Cinema e Séries
Descrição de chapéu Cinema

Autor de 'Alex Rider' diz que série é mais obscura e elogia adaptação: 'Surpreendente'

Anthony Horowitz diz que fará ao menos mais um livro do personagem

Otto Farrant em cena de 'Alex Rider' Nick Wall/Eleventh Hour Films/So

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Vinte anos depois de lançar o primeiro livro da saga "Alex Rider", sobre um detetive adolescente, o autor Anthony Horowitz, 65, está vendo sua obra se transformar em série (disponível no Brasil pela Amazon Prime Video). Mas, se quando escreve o personagem toma os rumos que ele quiser, o mesmo não acontece com a obra audiovisual.

"Quando você tem uma adaptação, ele simplesmente não é mais o meu Alex", avaliou o escritor britânico em entrevista ao F5. "Quando dou os roteiros ou dou permissão para que o roteiro seja escrito por outra pessoa, eu entendo que tem uma nova equipe a bordo. Tem um diretor, um produtor, o ator, o estúdio... O personagem passa a ser de todo mundo."

"Acho que é um grande erro o escritor tentar se agarrar a um bebê que ele já deu para outra pessoa", comparou. "Mas eu tinha total fé na produção, até porque a minha mulher [Jill Green] é a CEO da produtora da série e não teria onde se esconder de mim [risos]. Mas a Sony também investiu uma quantidade enorme de dinheiro."

O escritor diz que trabalhou de forma muito orgânica com Guy Burt, 48, que é o produtor e roteirista responsável pela adaptação. Ao F5, Burt disse que, apesar de não ter lido antes os livros de Alex Rider, teve um motivo especial para se interessar pelo trabalho.

"Eu já tinha mais idade quando os livros foram lançados", afirmou. "Mas sabia da fama do personagem, os meus filhos amavam."

Esse é, inclusive, um dos motivos pelos quais Horowitz acredita que Burt foi o nome certo para fazer essa transposição para as telas. "O tom que Guy Burt trouxe estava exatamente correto, ele tem filhos adolescentes, então ele sabe como esses eles falam entre si, se relacionam, não poderíamos ter escolhido alguém melhor para adaptar a série", elogiou.

O autor observa as adaptações que foram feitas pelo colega. "O próprio Alex é muito mais velho. Nos livros, ele tem apenas 14 anos e [o ator] Otto Farrant é claramente mais velho do que isso, apesar de não ser citada uma idade específica", lembrou. "Eu amo que o elenco é muito diverso e surpreendente."

Além disso, o clima da série é bem diferente. "Gosto do fato de ser bem mais escuro e também o fato de que é um programa que os pais podem assistir com os filhos, e que ambos terão prazer nisso. Não é obscuro ao ponto de assustar as crianças, mas não é tão bobo que vai aborrecer os adultos."

Burt lembra ainda que trouxe o melhor amigo de Alex, Tom (Brenock O'Connor), para a ação, mesmo antes de ele aparecer nos livros. E também adianta que procurou colocar uma personagem feminina da idade de Alex em destaque.

Juntos, Burt e Horowitz tinham tomado uma decisão logo de cara: o primeiro livro da saga ("Alex Rider Contra Stormbreaker") não seria o ponto de partida da série. Isso porque já havia sido adaptado para os cinemas em "Alex Rider Contra o Tempo", de 2006. O filme teve bilheteria discreta e acabou não emplacando sequências.

A história escolhida para a primeira temporada foi a de "Point Blanc", o segundo livro da saga. "Nós procuramos esquecer o filme", disse Burt. "É importante entender que a série não faz referência ao filme, a não ser pela constatação de que não íamos fazer a mesma coisa de novo", concordou Horowitz.

O escritor lembra que é interessante que várias adaptações para o cinema do começo dos anos 2000, que não foram sucessos avassaladores, estão tendo segundas chances como séries. Ele cita "A Bússola de Ouro" (2007), cuja história original é explorada em "His Dark Materials", da HBO, e "Desventuras em Série" (2004), que virou série da Netlix. "Eu não tenho resposta do porquê", afirmou.

Ele também fez mistério sobre o livro que será adaptado para a segunda temporada, já confirmada. "Posso adiantar que não será 'A Chave Mestra' [terceiro livro da saga]", disse. "Esse livro seria especialmente difícil de adaptar nesse período de pandemia. Mas vou dar uma dica: você pode dar uma olhada no que vem na sequência [o livro 'O Ataque à Águia']."

Com gravações previstas para começarem em março ou abril, a segunda leva de episódios já está em pré-produção. Enquanto isso, Horowitz conta que deve tirar o ano para escrever o 13º livro protagonizado pelo personagem. Ele diz que não sabe quantos ainda escreverá.

"Certamente há mais um, porque o último livro terminou em aberto, o que já era um sinal de que outro livro está a caminho", lembrou. "Depois disso eu não sei, para ser honesto. Ainda gosto muito do personagem."

Ele lembrou que há cerca de 5 anos, anunciou que não faria mais livros de Alex Rider. "Isso não durou muito tempo", riu. "Não sei se ele não larga de mim ou se eu não largo dele. Parece que estamos presos um ao outro por mais um tempo."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem