Cinema e Séries

Netflix divulga trailer de documentário sobre Beyoncé que estreia dia 17 de abril; assista

"Homecoming" mostra bastidores do show da cantora no Coachella

 Kelly Rowland e Michelle Williams, com quem Beyoncé formou, até 2005, o grupo Destiny's Child, subiram ao palco
Kelly Rowland e Michelle Williams, com quem Beyoncé formou, até 2005, o grupo Destiny's Child, subiram ao palco do Coachella 2018 - Reprodução/Instagram
São Paulo

A Netflix divulgou nesta segunda-feira (8) o trailer do documentário " Homecoming", que mostra os bastidores da apresentação de Beyoncé no festival Coachella no ano passado. A produção, que vinha sendo mantida em segredo, estará disponível na plataforma a partir do dia 17 de abril. 

Segundo a sinopse, o documentário "intimista"​ mostra “a jornada emocional de um conceito criativo que se transforma em movimento cultural”.     

O trailer começa com imagens dos bastidores e do show enquanto é possível ouvir trechos de um depoimento da poeta, jornalista e ativista americana Maya Angelou,  que lutou pela igualdade racial nos Estados Unidos.  “O que quero fazer de verdade é ser uma representante da minha raça. Da raça humana. Tenho uma chance de mostrar que podemos ser gentis. Que podemos ser sábios e generosos. Tenho uma chance de ensinar, de amar, de rir… Sei que, quando eu terminar o que fui destinada a fazer, partirei deste mundo. E partirei sem medo ou receios. Eu me pergunto o que acontecerá, mas… ". 

Em seguida, o entrevistador pergunta: "Qual conselho você daria para esta geração". Angelou responde: "Conte a verdade. Primeiro para si mesmo. E para as crianças”. 

Na sequência, são mostradas imagens e músicas da apresentação. O trailer tem também rápidas aparições dos filhos de Beyoncé e Jay-Z: Blue Ivy, 7, e os gêmeos Rumi e Sir, um ano e oito meses.

Beyoncé foi a primeira mulher negra a abrir o Coachella, um dos festivais de música mais importantes do mundo e que costuma ser realizado em abril na Califórnia. A apresentação da cantora teve tom político. 

Ela fez um show com várias referências a movimento negros, como o Pantera Negra, além de citar trechos do discurso do líder ativista Malcolm X . Também destacou o empoderamento feminino ao citar a escritora feminista nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie e homenagear à cantora Nina Simone, uma das maiores divas da história da música e ativista dos direitos civis dos negros norte-americanos.

Além disso, a apresentação teve participações especiais importante, como Kelly Rowland e Michelle Williams, com quem Beyoncé formou, até 2005, o grupo Destiny's Child. Elas cantaram os hits "Lose My Breath", "Say My Name" e "Soldier".

O show teve, ainda, presenças familiares: o marido Jay-Z fez dueto com Beyoncé em "Déjà vu" e sua irmã Solange Knowles entrou com tudo em "Get me Bodied", dançada em sintonia pelas duas estrelas, que ainda cantaram "Single Ladies".

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem