Cinema e Séries

Denise Fraga afirma que 'Tito e os Pássaros' ajuda mães a verem como o medo pode deixá-las ridículas

Indicada ao prêmio Annie, animação estreia nesta quinta (14)

Personagem Rosa, em "Tito e os Pássaros", dublada por Denise Fraga
Personagem Rosa, em "Tito e os Pássaros", dublada por Denise Fraga - Reprodução
Sarah Mota Resende
São Paulo

Mãe de dois filhos já adultos, a atriz Denise Fraga, 54, acredita que o medo é um sentimento comum de mães. Ao mesmo tempo, porém, ela defende que a maternidade faz surgir nas mulheres "uma força de leoa".

Em "Tito e os Pássaros", animação infantil brasileira que estreia nesta quinta-feira (14), a atriz dá voz a Rosa, mãe superprotetora do protagonista que dá nome ao filme. "Quando você é mãe, precisa ter muito cuidado com essa cultura do medo porque o seu potencial de absorção disso fica maior. Quando se tem filho, imediatamente você se fortalece muito porque encontra uma força que não sabia que tinha. Você também começa a contar todas as possibilidades de algo dar errado."

Numa das cenas, Rosa, a mãe de Tito, corre para o hospital com medo de estar infectada com a doença que transforma as pessoas em pedra —enredo central da trama. Além disso, é possível notar as tantas vezes que a personagem toma remédios ditos "preventivos" e pede que Tito não saia de casa.

Para Denise Fraga, o problema de Rosa foi sucumbir a esse medo. "O filme fala muito sobre isso: você enfrentar o medo. É bom a Rosa ser essa personagem: que tem um 'quezinho' de ridículo, de frágil demais. E é bom para as mães verem como elas podem ficar ridículas e esquisitas em seu medo."

O filme conta a história de Tito, um menino de dez anos que, com seu pai, um estudioso de pássaros, se empenha em encontrar a cura para uma estranha epidemia de medo que faz as pessoas paralisarem e virarem pedras. A aventura de Tito é acompanhada pelos seus amigos Sarah e Buiu.

Exibido em mais de 80 festivais pelo mundo, o filme foi indicado ao prêmio Annie de melhor animação independente, o principal do segmento nos EUA. Também foi um dos 25 filmes pré-indicados ao Oscar de melhor animação. Além de Denise Fraga, o longa também tem dublagem de Mateus Solano, como o vilão Alaor, apresentador de TV sensacionalista que ajuda a disseminar o medo.

Para Gustavo Kurlat, que assina a trilha sonora do filme, o filme acerta ao falar de medo com crianças em um ambiente de aconchego e seguro. "Você está dando uma vacina", opina. "Ela [a criança] entender isso dentro de um contexto de afeto pode lhe dar ter recursos para enfrentar isso [no futuro]. Falar desse assunto ao lado do pai, num lugar que permite conversas, faz com que depois, quando ela [a criança] for pensar no medo, ela não entre em pânico", completa.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias