Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui para continuar.

Celebridades

Dakota Johnson diz que sua mãe, Melanie Griffith, era 'talvez muito aberta sobre sexo' e lhe oferecia contraceptivos

Estrela de 'Madame Teia' namora Chris Martin, que teria pedido sua mão em casamento, segundo jornal

Dakota Johnson e Melanie Griffith na cerimônia do Oscar em 2015 - Valerie Macon/AFP
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Dakota Johnson, 34, contou que cresceu em um ambiente familiar bastante aberto no que diz respeito à sexualidade. A estrela de "Madame Teia" e "Cinquenta Tons de Cinza" disse que sua mãe, a atriz Melanie Griffit, 66, foi talvez aberta demais sobre o assunto.

Em entrevista à Bustle, Dakota disse que se sente sortuda por ter tido apoio da mãe para se descobrir sexualmente. "Sempre foi assim: 'seja qual for a sua preferência e quando você quiser fazer sexo, é só me avisar que providenciamos contraceptivos'", disse ela.

"Foi realmente saudável e me fez sentir que eu tinha permissão para descobrir minha sexualidade por conta própria, o que acho um presente tão especial", contou.

Dakota namora Chris Martin, vocalista do Coldplay, desde 2017. Nesta quinta-feira (7), o The Mirror noticiou que o cantor teria pedido a atriz em casamento há alguns dias. O casal ainda não confirmou a mudança no status da relação. O jornal também diz que Gwyneth Paltrow, ex-mulher de Chris, teria dado sua bênção.

Protagonista de "Madame Teia", filme da Marvel em cartaz nos cinemas, ela falou sobre o fracasso de bilheteria do longa e disse não ter ficado surpresa. "Foi definitivamente uma experiência fazer esse filme. Nunca tinha feito nada parecido antes. Provavelmente nunca farei algo assim novamente porque não faço sentido nesse mundo. E eu sei disso agora", disse ela.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Mais lidas