Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui para continuar.

Celebridades

Adidas tolerava comportamento preconceituoso e agressivo de Kanye West há dez anos

Segundo o New York Times, comentários antissemitas eram uma constante no relacionamento entre ele e a empresa

O rapper Kanye West - AFP
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O rompimento entre Adidas e Kanye West, 46, aconteceu há um ano, mas o New York Times revelou que a relação era conturbada desde o início da parceria, em 2013.

Segundo a publicação, a empresa alemã se reuniu com o rapper há dez anos para mostrar alguns tecidos. Porém, ele não gostou e desenhou uma suástica num dos modelos.

As vendas, porém, ultrapassavam a marca de US$ 1 bilhão por ano desde então, elevando os resultados financeiros da Adidas, e a empresa acabou por tolerar alguns comportamentos dele nos bastidores.

Durante a parceria, além dos comentários antissemitas, o artista fez comentários sexualmente ofensivos, exibiu comportamento errático e emitiu demandas cada vez maiores. Mas como os lucros eram altos, tudo acabou por ficar sob o tapete.

Certo dia, ele teria aconselhado um gerente judeu da Adidas a beijar uma foto de Hitler todos os dias.

Segundo a publicação, mesmo enquanto West expressava crenças cada vez mais tóxicas de forma pública, a marca intensificou a produção e lançou Yeezys com mais frequência. E os executivos desconsideraram as preocupações dos funcionários de que a conduta perturbadora de West pudesse manchar a reputação da empresa.

Dias antes do episódio da suástica, o cantor já havia sido filmado mostrando um filme pornô para executivos da empresa, que se assustaram. Um dos homens se mostrava desconfortável e empurrava o braço do rapper. "Vamos lá, cara", dizia ele. O vídeo pornográfico parecia ser usado pelo cantor para fazer um paralelo entre os negócios dele e a empresa de roupas, que fabrica e distribui sua marca Yeezy.

Em comunicado ao Times, a Adidas disse que "não tolera discurso de ódio e comportamento ofensivo, razão pela qual a empresa encerrou a parceria com a Adidas Yeezy". Já West recusou dar entrevista e explicar o caso ao jornal.

Em outubro de 2022, o grupo alemão de equipamentos esportivos disse que estava reavaliando seu relacionamento com o rapper americano, que semanas antes havia criticado a marca por discordar de suas iniciativas comerciais.

O grupo, que não especificou os motivos de sua decisão, indicou em comunicado que "uma associação bem-sucedida se baseia no respeito mútuo e em valores comuns".

No entanto, "após repetidas tentativas de esclarecer a situação fora da esfera pública, decidimos reavaliar essa associação" com Kanye West, acrescentou a Adidas em nota transmitida à AFP.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Mais lidas