Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades

Sem exibidor, filme que mostra Renato Aragão 'vilão' vai para a gaveta

'Brasil só quer saber de documentário chapa-branca como o do Neymar', diz diretor

Mussum está de chapéu preto, Didi, de chapéu banco, Dedé, de camisa vermelha, e Zacarias, de camiseta de manga longa, listrada em branco e azul, e um macacão branco por cima
Mussum, Didi, Dedé e Zacarias: relação conturbada nos bastidores - Divulgação
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Rio de Janeiro

Diretor e roteirista de "Trapalhadas Sem Fim", Rafael Spaca jogou a toalha. Ele desistiu de lançar o polêmico documentário que iria expor a relação conturbada entre o grupo formado por três dos humoristas de "Os Trapalhões" — Dedé Santana, Mussum e Zacarias — e o protagonista, Renato Aragão.

A produção, orçada em R$ 2 milhões, consumiu três anos de pesquisas e entrevistas e, segundo Spaca, chegou a ser apresentada a "praticamente todas" as plataformas de streaming. Não houve interesse por parte de nenhuma delas em exibi-la. "Faltou coragem para levar ao ar um documentário independente e sem rabo preso", afirma o diretor ao F5.

"Foi um choque de realidade. O Brasil é o país da chapa-branca e prefere produzir um documentário como esse do Neymar [ Neymar - O Caos Perfeito, da Netflix], que é pura bajulação, do que exibir coisas mais provocativas", diz o diretor, que não é um neófito no assunto. Ele já escreveu dois livros sobre o grupo: "As HQs dos Trapalhões" e "O Cinema dos Trapalhões".

Ele conta que a série revelaria detalhes de momentos tensos de bastidores, como discussões e desavenças por dinheiro entre os quatro. "Que o Renato ganhava absurdamente mais que os outros, isso é um fato. Outro fato é que em um momento da carreira do quarteto, ele 'puxou o tapete' do Dedé, do Mussum e do Zacarias".

Dividida em cinco episódios, a série documental mostraria a trajetória de "Os Trapalhões" desde o início do grupo, com sua formação original (Renato Aragão, Wanderley Cardoso, Ivon Cury e Ted Boy Marino), nos anos 1960, até as gravações de 'Os Saltimbancos Trapalhões: Rumo a Hollywood' (2017).

Spaca nega que tenha tentado desconstruir a imagem de "mito bonzinho" de Renato Aragão, dando ares de vilania ao intérprete de Didi Mocó. "Eu deixaria para o público fazer esse juízo", afirma ele, que diz ter seguido modelos americanos e europeus de produções audiovisuais. "São jornalísticas. Não tem essa história de que todo documentário precisa ser uma ode ao objeto de pesquisa", observa.

O F5 entrou em contato com Renato Aragão, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem. A Folha apurou que os advogados do humorista já tinham manifestado interesse em embargar a série assim que ela fosse anunciada por uma emissora ou plataforma de streaming.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem