Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades

Luciano Szafir se recupera da cirurgia para retirada de bolsa de colostomia

Empresário e ator está no quarto do hospital e já fala com familiares pelo celular

Homem abre casaco para mostrar a bolsa de colostomia presa ao corpo durante um desfile de moda
Luciano Szafir usou durante 10 meses a bolsa de colostomia - REUTERS
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Um dia depois da cirurgia de reversão para a retirada da bolsa de colostomia, Luciano Szafir, 53, já está no quarto do hospital Copa D'or, na Zona Sul do Rio. Foram seis horas de procedimento e, segundo a assessoria do empresário e ator, ele se recupera bem, conversa com a mulher Luhanna Melloni, que o acompanha na internação, e até fala ao celular com os outros familiares. Szafir ainda não tem previsão de alta hospitalar.

Em junho de 2021, Luciano Szafir foi diagnosticado com Covid-19 e ficou internado por cerca de um mês. O ex-marido de Xuxa Meneghel e pai da única filha da apresentadora, Sasha, chegou a ser intubado devido às complicações do coronavírus. No mês seguinte, Szafir teve que se submeter a uma cirurgia de colostomia na região do intestino. Ele sofreu perfuração do órgão devido ao uso de anticoagulantes para tratar uma embolia pulmonar causada pela doença.

A colostomia é um tipo abertura no intestino grosso para saída de fezes ou urina e fezes para uma bolsa, quando o intestino não pode ficar ligado ao ânus. Foram 10 meses com o tipo de saco coletor na barriga e a espera para a cirurgia de reversão, já que os médicos atestaram que Luciano Szafir estava totalmente recuperado da intervenção inicial no intestino há pouco tempo.

Antes da cirurgia, Szafir, que chegou a desfilar no São Paulo Fashion Week, em novembro do ano passado, exibindo a bolsa de colostomia ,anunciou que pretende continuar lutando pelas causas dos ostomizados. De acordo com o Ministério da Saúde são mais de 400 mil pessoas ostomizadas no País e até existe um Dia Nacional, 16 de novembro, instituído pela Lei 11.506/2007 para divulgar informações que contribuam para combater o preconceito contra as pessoas que utilizam o procedimento da ostomia. Pessoas que devido à má formação congênita, tumores intestinais, doença inflamatória intestinal, traumas abdominais, entre outras causas, foram submetidas a um procedimento cirúrgico para possibilitar a saída de fezes ou urina.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem