Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades

Nathalia Dill pede que eleitores votem em Lula para tirar 'essa pessoa'

No Carnaval do Rio, atriz defende festa fora de época nos próximos anos

Nathália Dill curte o último de Carnaval em camarote na Marquês da Sapucaí
Nathalia Dill curte o último dia de Carnaval em camarote Folia Tropical, na Marquês da Sapucaí - Marlene Bergamo - 23.abr.22/ Folhapress
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Rio de Janeiro

A atriz Nathalia Dill, 36, aprovou o Carnaval fora de época deste ano, realizado em abril após adiamentos por causa da pandemia. "Estou amando o Carnaval nesta época do ano", disse ela na entrada do Camarote Folia Tropical, na Marquês da Sapucaí, no Rio de Janeiro.

"Estou achando uma temperatura ótima, mais amena, não chove tanto", enumerou. "Não faz tanto calor, eu voto para ficar nessa época para sempre (risos). Ou pelo menos fazer dois Carnavais."

Apesar de amar Carnaval, ela ainda não cruzou a Marquês de Sapucaí sambando em uma escola. "Eu nunca desfilei, mas hoje em dia estou topando tudo", conta.

Porém, ela não tem vontade de ser musa ou rainha de bateria. "Tenho muita vontade de sair tocando", revela. "Já saí em alguns blocos tocando. Mas em escola de samba tem que ter mais dedicação."

Para isso, no entanto, ela precisaria ter mais tempo disponível. Atualmente, ela está se preparando para estrear uma peça e uma série, das quais diz ainda não poder dar detalhes. "Estamos voltando, tudo voltando agora", comemora.

A atriz também dá um suspiro quando perguntada sobre as eleições deste ano. "Eu espero que o mundo melhore depois dessa eleição", comenta.

"Realmente, espero que a gente vote direito, vote no Lula e tire esse… essa pessoa", diz. "Acho que a gente tem que valorizar o amor, a alegria, a cultura, a nossa economia… Está tudo conectado."

Para ela, os últimos anos foram complicados para os brasileiros de forma geral. "Não só a cultura [que sofreu], mas a educação, a ciência, a economia… tudo".

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem