Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades

Alec Baldwin é processado por eletricista que o acusa de negligência em set

Segundo processo, ator não precisava ter apertado gatilho

O ator Alec Baldwin - REUTERS
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O ator Alec Baldwin, 63, está sendo processado por um chefe eletricista que trabalhava com ele no set do filme "Rust" antes de o artista disparar acidentalmente uma arma e causar a morte da diretora de fotografia Halyna Hutchins.

De acordo com o TMZ, Serge Svetnoy acusa o ator e mais a armeira Hannah Gutierrez-Reed e o diretor assistente Dave Halls de negligência no manuseio de armas.

O eletricista afirma que a bala que atingiu a mulher quase pegou nele e que isso acarretou nele um grave sofrimento emocional. Ele também diz ter sido uma das primeiras pessoas a socorrer Halyna, quem considerava uma "boa amiga".

O profissional pede indenização e julgamento com júri. De acordo com documentos obtidos pelo TMZ, Serge alega que Baldwin tinha o dever de lidar com cuidado com o revólver fornecido a ele por Dave Halls.

"Este dever exigia que o réu Baldwin fizesse uma dupla verificação do revólver colt com Halls ao ser manuseado para garantir que ele não contivesse munição real. Este dever exigia ainda que ele manejasse o revólver como se estivesse carregado e se abstivesse de apontá-lo para alguém", diz o documento.

A cena que Baldwin gravava pouco antes do tiro fatal era uma em que ele precisava apontar a arma para a câmera, mas sem apertar o gatilho.

No processo diz que Baldwin teria sido negligente como produtor do longa já que "eles tentaram economizar dinheiro contratando um número insuficiente de funcionários para manusear com segurança os adereços e as armas de fogo".

Em outro trecho dos autos, a alegação de que "houve outros lapsos no set, incluindo violação das normas da indústria, recusa de pedidos de dias de treinamento de armas". O documento se encerra com a informação de que "a prática de tiro ao alvo que ocorria pouco antes da tragédia era ultrajante".

Alguns trabalhadores do setor cinematográfico do Novo México estão exigindo um treinamento de filmagem melhor e regulamentos de armas mais rigorosos desde que a diretora de fotografia Halyna Hutchins foi baleada fatalmente no set do faroeste "Rust".

Os gastos diretos do setor de cinema e televisão do Novo México dobraram desde 2015, assim como as horas que as equipes passam nos sets de filmagem, de acordo com dados estaduais.

Produtores, gerentes de sets de filmagem, membros de equipes e atores entrevistados pela Reuters disseram que o crescimento supera amplamente a oferta de trabalhadores treinados, colocando em risco a segurança dos sets de filmagem.

Baldwin disse que acredita que as produções de cinema e televisão deveriam contratar policiais para monitorar as armas nos sets.

Baldwin atirou e matou acidentalmente a diretora de fotografia Halyna Hutchins no último dia 21 de outubro, após ser avisado que a arma com a qual ele ensaiava no set de "Rust" no Novo México era "fria", ou seja, segura de usar, de acordo com o Gabinete do Xerife do Condado de Santa Fé.

As autoridades estão tentando determinar como uma bala de verdade foi parar na arma entregue a Baldwin. Os advogados da mulher responsável pelas armas de "Rust" disseram que ela acreditava que havia carregado a arma com balas fictícias.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem