Celebridades

Ex-mulher de Tom Veiga nega suspeita de envenenamento e exumação do corpo

Alessandra Veiga diz que filhos do artista não conversaram sobre assunto

Ator Tom Veiga, intérprete do Louro José no programa 'Mais Você' - Reprodução/Facebook/Tom Veiga
São Paulo

Alessandra Veiga, ex-mulher de Tom Veiga, intérprete de Louro José, diz que ela e os filhos do artista não pediram a exumação do corpo dele por suspeita de que teria sido envenenado. A morte de Tom, em 1° de novembro de 2020, ocorreu em decorrência de um AVC (Acidente Vascular Cerebral) hemorrágico provocado por um aneurisma, segundo laudo do IML (Instituto Médico Legal).

"Sinceramente, mesmo, eu não estou sabendo de nada disso. Eu e os filhos dele não falamos sobre isso. Não sei que ‘outros’ parentes seriam mesmo", diz Alessandra Veiga, em entrevista ao F5. Ela foi casada com Tom Veiga Veiga por 14 anos, mas os dois romperam em 2018.

No mesmo ano, o intérprete de Louro José começou a namorar a investidora Cybelle Hermínio. Os dois matinham uma união estável desde junho de 2019. Eles se casaram em uma cerimônia religiosa em janeiro de 2020, mas ficaram apenas nove meses juntos. A oficialização aconteceu apenas em agosto daquele ano, com separação total de bens, mas eles se separaram poucos dias depois.

O ator tinha 47 anos e deixou quatro filhos —Adrian e Alissa, fruto de seu relacionamento com Alessandra, e Diego e Amanda, da relação com Cristina Rilco.

A declaração de Alessandra Veiga acontece após especulações de que parte da família de Tom Veiga teria pedido a exumação do corpo do ator para investigar se ele havia sido envenenado. Ela afirma que esses rumores são veiculados pela mídia e que deveriam deixar o ator "descansar em paz".

Diz ainda que conversou com os outros dois filhos do intérprete de Louro José, que também falaram não saber sobre a exumação. "Está muito difícil e cansativo isso", afirma Alessandra.

O pedido de exumação do corpo para investigar um possível envenenamento foi publicado pelo jornalista Leo Dias, do Metrópoles, na tarde desta terça-feira (6). De acordo com fontes do colunista, Cybelle Hemínio da Costa Veiga, ex-mulher de Tom, teria conseguido que ele fizesse um testamento que a incluísse.

Mais cedo, o jornal Extra publicou uma reportagem na qual revela que Tom Veiga teria pedido a um amigo que fosse com ele até um cartório para retirar o nome de Cybelle Hemínio do testamento. Isso teria acontecido três dias antes de sua morte em sua casa no Recreio dos Bandeirantes, no Rio de Janeiro.

O jornal afirma ter tido acesso a áudios enviados pelo ator ao amigo nos dias 29 e 30 de outubro de 2020. Ainda segundo a reportagem, Tom Veiga teria deixado um testamento no qual dispunha de 50% dos seus bens para os quatro filhos e a outra metade ficaria com Cybelle. Os filhos do ator entraram com uma ação cível na Justiça para invalidar Cybelle como herdeira.

De acordo com uma fonte ouvida pela reportagem, Tom Veiga teria instalado um sistema de segurança em seu imóvel, o que causou estranheza no amigo. "Quando perguntei, ele me disse que estava preocupado com a segurança dele. Insisti em saber o motivo, mas Tom mudou de assunto rapidamente", relembra.

Pouco mais de um mês após a morte de Tom Veiga, uma empregada que trabalhou para o ator por um ano e meio prestou depoimento no 15º Serviço Notarial da Barra da Tijuca, acompanhada do advogado Gustavo Santos de Almeida, que representa os filhos do artista na ação em que pedem a anulação do testamento do pai.

De acordo com o depoimento de Josenilde, Cybelle era uma pessoa "muito ciumenta" e essa característica era um motivo para brigas constantes dentro da residência do casal. Ainda segundo Leo Dias, a empregada teria revelado que Tom Veiga havia sido agredido fisicamente por Cybelle "com uma garrafa de vinho quebrada, momento em que ele teve medo de morrer e decidiu fugir de casa, vestido apenas com um short e sem documentos".

Procurada pelo F5, Cybelle Hemínio não atendeu nem respondeu às mensagens enviadas. O advogado Gustavo Santos de Almeida não foi localizado para comentar sobre o processo de anulação do testamento.

Louro José foi idealizado em 1996 por Ana Maria Braga. Na época, ela apresentava o Note e Anote, na Record, e ele era assistente de estúdio do programa. Ana Maria testou diversas pessoas de sua equipe na manipulação do boneco, mas Tom Veiga se destacou e ficou no papel.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem