Celebridades

Marcelo Falcão se livra de processo na Justiça gerado por desabafo no Twitter

Jovem que luta por reconhecimento de paternidade e mãe dela pediram indenização

O cantor Marcelo Falcão - Divulgação
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Marcelo Falcão, 47, acaba de se livrar de um processo movido contra ele. Tudo começou em maio de 2015, quando o músico usou o Twitter para desabafar. "Aparecer 17 anos depois querendo me difamar. Só tenho uma coisa pra dizer: oportunistas o que me guarda é a lei de Deus e o que for para ser, Eu sou honra".

O músico compartilhou ainda outro tweet no qual dizia não ter problemas com a lei. "Recado pra quem insiste em me querer mal: nunca fugi dos meus compromissos com a Justiça.O que Deus e a Justiça falar, está falado". Foi o suficiente para que mãe e filha que lutam na justiça para que Falcão reconheça a paternidade da jovem, processassem o artista por se sentirem ofendidas com os comentários.

De acordo com a coluna de Ancelmo Gois, em O Globo, foram pedidos 400 salários minímos a título de indenização, o que foi negado pelo juiz da 10ª Comarca Cível do Rio de Janeiro. A ação foi considerada improcedente. Falcão postou um texto enigmático após a sentença, também no Twitter.

"O mal não vence nunca. Ele deturpa, ele mente, ele inventa, ele julga, mas não se enxerga e ele acha que ninguém percebe. Pode demorar, mas quando a casa cai, o tombo é pior que a ladeira do Alto da Boa Vista de skate sem capacete. Depois que dropa. The End", compartilhou na manhã deste domingo (7).

Falcão era vocalista do grupo O Rappa que anunciou hiato sem previsão de volta, em maio de 2017. A banda cumpriu a agenda de show até fevereiro de 2018. Eles não informaram os motivos para a pausa. Apenas agradeceram os fãs e celebraram o sucesso que o grupo alcançou nos últimos seis anos.

Formado em 1993, O Rappa já havia feito uma pausa entre 2009 e 2011, quando voltou a se apresentar. Na atual passagem, contava com Marcelo Falcão, Xandão Meneses, Lauro Farias e Marcelo Lobato. Em 2000, o letrista e baterista Marcelo Yuka (1965-2019) ficou paraplégico ao ser baleado em um assalto e deixou o grupo logo depois.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem