Celebridades

Luiza Brunet é condenada por chamar blogueira de 'vadia' e paga R$ 4.000: 'Entendi que errei'

Processo se arrastava desde 2018; modelo diz que ganhou processos contra outras agressoras

A modelo e atriz Luiza Brunet - Mathilde Missioneiro/Folhapress,
Leonardo Volpato Vitor Moreno
São Paulo

A modelo Luiza Brunet, 58, foi condenada em processo a pagar R$ 4.000 a uma blogueira após chamá-la de “vadia” em 2018. O caso se arrastava desde então e agora foi resolvido. A decisão é do 1º Juizado Especial Cível da Comarca de Blumenau, em Santa Catarina.

De acordo com os autos, aos quais o F5 teve acesso, Brunet perdeu a ação movida pela blogueira Ana Carolyne Steiner. O caso aconteceu depois que Luiza teve o pedido de união estável negado entre ela e Lírio Parisotto.

Procurada pelo F5, Luiza Brunet enviou uma nota (leia a íntegra abaixo) por meio de seu advogado na qual diz que entendeu que havia errado e que, por isso, decidiu não recorrer da decisão. "Naquela ocasião não sabia como lidar com essa situação, foi preciso muito tempo para entender que responder alimentava ainda mais essas pessoas", disse. " Não concordo com nenhum tipo de violência seja ela física, verbal ou psicológica e vou continuar defendendo a causa em que acredito até o final da minha vida."

Ela disse que ganhou ações contra outras mulheres que também a agrediram na época dos fatos, mas que até hoje não recebeu nenhuma indenização. "Pior, são defendidas nos processos pelos mesmos advogados, ao que se sabe até agora, contratados pelo meu agressor", afirmou. "Sempre com o intuito de me desestabilizar e me desacreditar."

O xingamento aconteceu depois de a blogueira dizer na ocasião sobre esse tema que “namoro não gera união estável”. Luiza acusou de Parisotto agressão em maio de 2018. O empresário foi condenado pela Justiça de São Paulo pelo crime de lesão corporal praticado contra a atriz Luiza Brunet, sua ex-companheira.

Foi então que Brunet proferiu as ofensas a Ana. A modelo também disse que a blogueira “tinha cara de empregada” e perguntou se ela “sabia fazer faxina”.

O valor de R$ 4 mil poderia até mesmo ser triplicado. Isso porque o juiz determinou que deveria haver juros de 1% ao mês desde o começo da confusão, em 22 de agosto de 2018.

Luiza Brunet já pagou o valor. Até caberia recurso, mas ela resolveu quitar a dívida segundo o Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Agora, a autora da ação briga para que esse valor corrigido também seja pago.

Leia a íntegra da nota enviada por Luiza Brunet:

"Diante de tantas notícias desencontradas venho esclarecer que o processo movido pela Sra. Ana Carolyne foi julgado procedente em 13 de maio de 2020. Na época em que os fatos aconteceram eu já havia me desculpado publicamente, pois entendi que havia errado. Ainda assim ela entrou com uma ação indenizatória e a Justiça entendeu que eu deveria indenizá-la. Não recorri da decisão, cumpri o que foi determinado. Efetuei o pagamento da indenização em 2 de junho de 2020, antes mesmo do início da fase de execução da sentença. O valor já foi repassado a ela pela Justiça. A época dos fatos, e ainda agora, mas em menor número, sou alvo de mulheres que se acham no direito de me agredir e agredir a minha família, em defesa do meu agressor. Naquela ocasião não sabia como lidar com essa situação, foi preciso muito tempo para entender que responder alimentava ainda mais essas pessoas. Algumas dessas mulheres eu também processei e ganhei a ação, mas não recebi, pois não cumprem a lei. Pior, são defendidas nos processos pelos mesmos advogados, ao que se sabe até agora, contratados pelo meu agressor. Sempre com o intuito de me desestabilizar e me desacreditar. Não concordo com nenhum tipo de violência seja ela física, verbal ou psicológica e vou continuar defendendo a causa em que acredito até o final da minha vida. Luiza Brunet"

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem