Celebridades

Johnny Depp foi agredido por ex-mulher Amber Heard, diz segurança do ator em tribunal

Ator está processando a editora do jornal britânico The Sun por difamação

Johnny Depp acena ao deixar a Suprema Corte de Londres
Johnny Depp acena ao deixar a Suprema Corte de Londres - Hannah McKay-16.jul.2020/Reuters
Londres e São Paulo

A atriz Amber Heard, 34, deu um soco em seu ex-marido e astro de Hollywood Johnny Depp, 57, durante uma das discussões acaloradas entre eles, atingindo-o para proteger a irmã dela, segundo depoimento na Suprema Corte de Londres nesta quinta-feira (16).

Depp está processando a editora do jornal britânico The Sun, News Group Newspapers, por difamação por causa de um artigo que o rotulou de "espancador de mulheres" e diz que foi ele quem sofreu violência doméstica nas mãos de Heard durante relacionamento volátil.

O jornal argumenta que o artigo é verdadeiro e, de acordo com declaração no tribunal, Heard acusa seu ex-marido de atacá-la em pelo menos 14 ocasiões entre 2013 e 2016, quando ele teria entrado em crise nervosa por beber ou usar drogas em excesso.

Em depoimento no tribunal, o guarda-costas de Depp, Sean Bett, disse que houve várias vezes em que Heard deixou ferimentos visíveis em seu empregador. Ele afirmou que um deles ocorreu em 21 de abril de 2016, depois de uma festa no aniversário de Heard.

Nesta ocasião, segundo relatos anteriores no tribunal, ela alega que Depp a atacou porque reclamou que ele chegou atrasado para a festa. Ele nega isso e diz que ela o agrediu, dando um soco durante briga.

Bett disse que levou Depp para outra casa após a discussão e tirou uma foto do rosto do ator depois que ele relatou que Heard o havia dado um soco. Depp já prestou depoimento por cinco dias, e Heard deve ser ouvida na próxima semana.

JULGAMENTO

Em depoimento da última semana, Depp também foi acusado de escrever em uma parede com sangue da ponta do dedo decepado. Depp disse no tribunal que sofreu "alguma espécie de colapso nervoso" durante uma briga com Heard, mas negou que a tivesse atacado violentamente e a acusou de cortar o dedo dele ao atirar uma garrafa.

As revelações ocorreram no terceiro dia da aparição de Depp no ​​banco das testemunhas na ação que ele move contra a editora do tabloide britânico The Sun, News Group Newspapers, sobre um artigo no qual o ator foi rotulado de "espancador de mulheres".

O astro de Hollywood também surpreendeu ao afirmar que Heard já ofereceu maconha à filha Lily-Rose, 21, quando ela tinha apenas 13 anos de idade. Ele disse ainda que levou um soco na cara da sua ex-companheira quando ela descobriu sobre a perda de US $ 650 milhões (cerca de R$ 3,47 bilhões).

De acordo com uma declaração da advogada do The Sun no tribunal, Depp atacou violentamente a ex-mulher em pelo menos 14 ocasiões por três anos a partir de 2013, quando ficou furioso por ciúmes e consumia grandes quantidades de álcool e drogas.

Em declaração dada por Heard ao tribunal de Londres no dia 15 de julho, segundo The Sun, a atriz disse que Depp tentou escrever o nome dela com sua urina dentro de uma casa alugada por eles em Queensland, na Austrália. Ainda segundo a publicação, atriz afirmou que o ator de "Piratas do Caribe" precisou ser escoltado de sua casa e, neste momento, alegou que precisava urinar.

"Ele voltou para dentro e fez isso bem na frente deles, rindo loucamente", disse ela. "Ele disse que estava tentando escrever meu nome nas paredes e tapetes, enquanto fazia xixi na casa." O gerente imobiliário de Depp, Ben King, negou o acontecimento e afirmou ao tribunal que tinha certeza de que não havia urina na casa alugada. "Eu não vi nenhum sinal de urina e não senti o cheiro", disse King, acrescentando que voltou à casa para acompanhar uma equipe de limpeza, que "não mencionou nada sobre fazer xixi".

Depp e Heard se conheceram no set do filme "Diário de um Jornalista Bêbado" em 2011, e casaram-se quatro anos depois –mas se separaram em maio de 2016, com um acordo de US$ 7 milhões no divórcio. A paz durou até que Heard escreveu, em dezembro de 2018, um artigo para o jornal The Washington Post dizendo ser uma sobrevivente de violência doméstica, sem citar o nome de Depp.

Com informações da Reuters.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem