Celebridades

Meghan Markle e príncipe Harry devem seguir modelo de Obamas, e não de Kardashians

Casal quer conquistar independência financeira e viver entre Reino Unido e América do Norte

Príncipe Harry e Meghan Markle
Príncipe Harry e Meghan Markle - BBC News/AP
Jill Serjeant

Liberados de suas funções reais, o príncipe Harry e a mulher, Meghan Markle, têm o mundo aos seus pés e o potencial de ganhar dinheiro em áreas que vão da moda e palestras à criação de sua própria produtora. 

Mas o casal, conhecido formalmente como duque e duquesa de Sussex, deveria agir com sabedoria para se tornar financeiramente independente em um mundo no qual influenciadores das redes sociais, como Kim Kardashian, reinam absolutos e sua visibilidade aumentará, ao invés de diminuir, disseram especialistas em posicionamento de marcas e observadores de Hollywood.

“A marca Sussex é uma marca global e pode acabar rendendo uma tremenda fortuna, de palestras a Meghan reinventando seu blog de estilo de vida ao merchandising ou aos patrocínios de marcas”, disse Nick Bullen, editor-chefe da True Royalty TV.

Harry e Meghan surpreenderam a rainha Elizabeth 2ª quando anunciaram, na quarta (8), que querem viver uma vida mais independente e pagar as próprias contas. O passado de Meghan como atriz na série de televisão americana "Suits" imediatamente provocou a especulação de que ela poderia voltar a atuar.

Mas a gama de opções do casal é muito mais ampla. Pode incluir o estabelecimento de uma produtora independente para programas de TV, documentários, podcasts ou filmes na linha da empresa Higher Ground, formada pelo ex-presidente Barack Obama e a esposa, Michelle.

Harry já fez uma parceria com Oprah Winfrey para produzir um documentário sobre saúde mental para o novo serviço de streaming da Apple. A Apple não quis responder a perguntas sobre colaborações adicionais com o príncipe.

“Os Obamas são um grande modelo de como ganhar dinheiro com classe. Eles podem encontrar projetos que são comoventes, e às vezes Meghan poderia estar neles. Se for um documentário, talvez Harry possa narrá-lo”, disse Howard Bragman, estrategista de relações públicas veterano de Hollywood.

Meghan tem uma influência considerável no mundo da moda. Em novembro, a plataforma global de buscas sobre moda Lyst a escolheu como a figura mais influente de 2019 no quesito vestimenta. Bragman ainda disse que o casal miscigenado “é muito representativo do que as marcas estão buscando hoje”.

Reuters
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem