Celebridades

Jamie Lee Curtis revela que foi viciada em ópio em segredo por dez anos: 'Ninguém sabia'

'Ficar sóbria é a maior realização da minha vida'

A atriz Jamie Lee Curtis na pré-estreia do filme "Halloween"
A atriz Jamie Lee Curtis na pré-estreia do filme "Halloween" - Valerie Macon/AFP
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A atriz Jamie Lee Curtis, 59, revelou que já foi viciada em opioides por mais de dez anos, em entrevista à revista americana People.

A estrela do clássico de terror "Halloween" (1978) volta em nova versão do filme, que é uma continuação do primeiro. O novo "Halloween", que estreia nesta quinta (25) nos cinemas, passa 40 anos depois e mostra Laurie Strode em sua tentativa de se vingar de Michael Myers.

Na entrevista, a estrela americana revela que sobreviveu ao vício em segredo no início dos anos 1990. "Eu estava à frente da curva da epidemia de opioides. Já fazia dez anos que eu corria, roubava, fingia que nada acontecia. Ninguém sabia, ninguém", afirmou. 

A família de Curtis tem um histórico de vícios. Seu pai, o ator Tony Curtis, sofreu com abusos de álcool, cocaína e heroína. O meio-irmão da atriz, Nicholas Curtis, morreu de overdose de heroína, em 1994.

O vício começou quando um médico prescreveu apioides a ela em sua primeira cirurgia plástica. Ela fez um procedimento em 1989 na área dos olhos. A partir disso, a atriz não parou de tomar analgésicos e chegou a roubar pílulas de amigos e parentes, inclusive de sua irmã mais velha, Kelly, que foi a primeira a descobrir o vício de Curtis.

A primeira reunião de dependentes que Curtis participou foi em 1999, e foi naquele dia que ela revelou ao marido Christopher Guest sobre o seu vício. Ela é casada com ele há 35 anos. O casal tem dois filhos, Annie, 31, e Tom, 22.

"Estou quebrando o ciclo que basicamente destruiu vidas de gerações de minha família", disse Curtis, que está sóbria há 20 anos e continua indo a reuniões e oferecendo ajuda a outros que possuem vícios.

Recentemente, o governo americano entrou em alerta por causa do número de mortes causadas pelo vício em opioides. Mais de 72 mil americanos morreram de overdose no ano passado, segundo estimativas da CDC, agência de saúde dos EUA, dos quais cerca de 48 mil foram vítimas de opioides, drogas que causam sensações de euforia e anestesia.

"Ficar lúcida e sóbria é a maior realização da minha vida, maior do que meu marido, maior do que minhas crianças e maior do que qualquer sucesso ou fracasso. Qualquer coisa", afirmou.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias