Celebridades

Apoiador de Trump, Kanye West diz que foi usado e vai se distanciar da política

Rapper americano defende imigrantes e militares em posts em rede social

O rapper Kanye West abraça o presidente Donald Trump em visita à Casa Branca no último dia 11 - Xinhua/Ron Sachs/CNP/ZUMAPRESS

O rapper americano Kanye West reclamou nesta terça-feira que foi usado e decidiu se afastar do mundo da política para focar mais em sua música e design de roupas.

Ele é um dos mais proeminentes defensores do presidente Donald Trump, a quem visitou recentemente na Casa Branca, com direito a boné com slogan de campanha do republicano "Make  America Great Again" (faça a américa grande novamente, em tradução livre). O mesmo boné, aliás, que ele usou ao visitar o set de filmagem do tradicional programa de comédia americano "Saturday Night Live", causando alvoroço entre os internautas. 

West usou seu perfil no Twitter para dividir com seus fãs a recente revelação. "Meus olhos agora estão bem abertos e eu percebo que fui usado para difundir mensagens nas quais não acredito", escreveu. "Eu estou me distanciando da política e focando completamente em ser criativo."

Ele não dá mais detalhes sobre como teria sido usado e nem cita diretamente o presidente Trump. Em um dos posts, contudo, parece criticar a política anti-imigração do republicano. A mais recente das medidas visa a acabar com o direito a cidadania de filhos de estrangeiros nascidos nos EUA.

“Eu acredito em amor e compaixão pelas pessoas que buscam asilo e pais que lutam para proteger suas crianças da violência e da guerra", disse West.

O rapper disse ainda apoiar "aqueles que arriscam suas vidas para nos servir e proteger" e defendeu a responsabilização das pessoas que usam de maneira errada seu poder.

Ele também negou fazer parte do movimento chamado Blexit, mistura das palavras inglesas black e exit, negros e saída, para representar os afro-americanos que deixaram de apoiar o Partido Democrata. "Nunca quis nenhuma associação com o Blexit. Não tenho nada a ver com isso."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias