Celebridades

Clooney doa R$ 378 mil para ajudar crianças imigrantes separadas dos pais nos EUA

O governo Trump separou 2.000 menores na fronteira desde abril

George e Amal Clooney em evento  de homenagem ao ator em Los Angeles
George e Amal Clooney em evento de homenagem ao ator em Los Angeles - Mario Anzuoni - 07.jun.18/ Reuters
São Paulo

O ator americano George Clooney, 57, e sua mulher, Amal, 40, anunciaram, nesta quarta-feira (20), a doação de US$ 100 mil (R$ 378 mil) a uma associação que tem atuado em prol das crianças que foram separadas de seus pais ao tentarem entrar ilegalmente nos Estados Unidos. 

“Em algum momento, nossos filhos vão perguntar: 'É verdade que nosso país tirou bebês de seus pais e os colocou em centros de detenção?’ E quando respondermos sim, eles vão perguntar o que fizemos, dissemos e como nos posicionamos. Não podemos mudar essa administração, mas podemos ajudar as vítimas dela”, afirma nota divulgada pelo ator. 

Segundo nota assinada também por Amal e pela fundação mantida pelo casal, o valor vai ajudar o Young Center for Immigrant Children’s Rights (Centro Jovem pelo Direito das Crianças Imigrantes), que "tem agido na linha de frente contra a atual crise de separação familiar que ocorre na fronteira dos Estados Unidos".

O governo americano separou pelo menos 2.000 filhos de imigrantes ilegais que tentavam cruzar a fronteira entre Estados Unidos e México desde o mês de abril. Segundo a gestão Donald Trump, a medida foi necessária para que os pais pudessem ser processados criminalmente, mas acabou provocando uma série de críticas. 

Por conta da controvérsia gerada pela nova política, o presidente americano assinou nesta quarta uma ordem executiva, uma espécie de decreto presidencial, para manter as famílias de imigrantes unidas. O documento determina que elas fiquem em um mesmo centro de detenção, o que pode gerar contestação legal sobre a decisão. 

O presidente americano disse que a separação de pais e crianças foi efeito colateral indesejado da política de tolerância zero contra a entrada de imigrantes ilegais nos EUA. Ele reiterou, no entanto, que será mantida a orientação de processar criminalmente os ilegais.

A política adotada antes da nova política de imigração previa que adultos viajando com crianças fossem enviados para tribunais de imigração. A lei proíbe deter crianças com seus pais, porque os menores não são acusados de crime, ao contrário do que acontece com os adultos.

Com a mudança, no entanto, as crianças separadas dos pais estavam até agora sendo tratadas como menores desacompanhados sob cuidados do Departamento de Saúde e Serviços Humanos. Eles então estavam sendo enviados para instalações do governo, colocados em abrigos temporários ou deixados sob tutela de adultos no país.

 
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias