Celebridades

Antônia Fontenelle diz que foi excluída da herança de Marcos Paulo, mas vai recorrer

Em batalha judicial com as filhas do ator, ela diz que sofre perseguição

Atriz Antônia Fontenelle
Atriz Antônia Fontenelle - Marco Antonio Teixeira - 07.fev.18/ UOL

São Paulo

Antônia Fontenelle afirmou na noite desta segunda-feira (4) que foi excluída da herança do ex-marido Marcos Paulo, morto em decorrência de uma embolia pulmonar, em 2012. Ela afirmou, no entanto, que vai recorrer.

A decisão foi da ministra do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Maria Isabel Gallotti, após anos de disputa da atriz com as três filhas do ator: Vanessa, do casamento com a modelo Tina Serina, Mariana, fruto da relação com a atriz Renata Sorrah, e Giulia, com a atriz Flávia Alessandra, que não queriam reconhecer a madrasta como herdeira. 

“Sra. ministra Isabel Gallotti, chegou minha hora de recorrer porque não aceito a sua decisão, uma vez que fui reconhecida como esposa. Acredito no bom senso do colegiado, esse país tem leis, e elas têm por obrigação serem cumpridas”, afirmou Fontenelle em sua conta no Instagram. 

A reportagem tentou contato com a defesa da atriz na noite desta segunda, mas ela não havia respondido até a publicação desta reportagem. 

Em agosto do ano passado, a atriz tinha tido seu direito à parte da herança, atualmente estimada em R$ 30 milhões, reconhecido pela Justiça, mas as filhas do ator recorreram. 

Em um vídeo postado na mesma rede social, Fontenelle afirmou ser vítima de uma perseguição. “Me sinto perseguida por mulheres e é uma sensação tão ruim. Mas eu ainda acredito na justiça, continuo acreditando e agora é minha hora de recorrer. Tenho certeza que nem todos pensam como a senhora, ministra Isabel Gallotti”. 

“Que pena porque independente do que a senhora leu naquela pilha de documento, a senhora sabe muito bem que eu era esposa de Marcos Paulo, a senhora sabe. Então, como mulher, isso é inadmissível, essa sua decisão. Até mesmo porque existe um Código Civil, uma lei que diz que a esposa tem direito a 50%”, conclui. 

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem