Tony Goes

'Greg News' estreia com mordacidade, mas escolhe alvos fáceis

Os talk shows de sátira política são comuns na TV americana desde o começo da década de 1990. Programas como "Politically Incorrect" e "The Daily Show" inventaram uma mistura inédita de noticiário, entrevistas e humor, e logo se tornaram a principal fonte de informação do público com menos de 40 anos.

Por aqui, o mais parecido que tivemos foi uma versão do formato argentino "Caiga  Quien  Caiga", rebatizado de "Custe o que Custar" para manter a sigla CQC. Exibido pela Band de 2008 a 2015, alcançou enorme repercussão e lançou inúmeros talentos, mas saiu do ar por falta de anunciantes.

Anunciantes não são um problema para a HBO, que só veicula chamadas de sua própria programação durante seus intervalos. Desde 2014, a emissora transmite "Last Week Tonight", o mais cáustico dos muitos talk shows políticos atualmente no ar nos Estados Unidos.

Comandado pelo humorista inglês John Oliver, Last Week Tonight ganhou uma pá de Emmys nos últimos dois anos. Como é semanal (ao contrário de muitos concorrentes, que são diários), seus roteiristas têm mais tempo de burilar o roteiro, mas perdem o imediatismo.

Agora a HBO está expandindo o formato para outros países. No México já existe "Chumel", onde o comediante Chumel Torres segue à risca a fórmula do programa de John Oliver: fala atrás de uma bancada para uma plateia que nunca aparece, enquanto um box no canto superior esquerdo da tela ilustra os assuntos sobre os quais discorre.

Este mesmíssimo esquema também é o de "Greg News", que estreou nesta sexta (5) na HBO Brasil. E estreou bem: o primeiro episódio foi realmente engraçadíssimo, gerando muitos comentários positivos nas redes sociais.


Rogerio Resende/hbo
Gregorio Duvivier com figurino do 'Greg News', da HBO - Rogério Resende/ Divulgação

Logo de cara, o apresentador Gregório Duvivier descartou a imparcialidade, impossível num programa humorístico. De fato, o humor é sempre do contra, e qualquer tentativa de torná-lo a favor —como o personagem Dilma Bolada— resulta em estrondoso fracasso.

Duvivier também prometeu não poupar ninguém, da direita à esquerda. Mas, pelo menos na estreia, focou  dois alvos relativamente fáceis: a Odebrecht, hoje tida como a inimiga número 1 de todos os brasileiros, e o movimento Escola Sem Partido, liderado por figuras que não são exatamente especialistas em educação.

Vamos ver como será o programa da semana que vem, que deve ser gravado na quarta (10) — o mesmo dia do depoimento de Lula ao juiz Sergio Moro, em Curitiba. Duvivier é admirador confesso do PT, mas não um fã incondicional do partido. Vai ser um teste para sua credibilidade e uma chance de aliviar a imagem de mortadela que seus detratores veem nele.

De qualquer forma, "Greg News" é uma adição mais do que necessária à televisão brasileira, ainda tão recalcitrante em fazer troça dos poderosos. Se mantiver o pique e a mordacidade, pode chegar até mesmo a influir no resultado das eleições, façanha que seus congêneres americanos já lograram algumas vezes.


Tony Goes

Tony Goes tem 56 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.blogspot.com

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem