Tony Goes

Já que Feliciano não deixou o Porta dos Fundos responder, respondo eu

Alguns integrantes do Porta dos Fundos participaram do programa “Pânico,” da rádio Jovem Pan, nesta terça-feira (28), promovendo o lançamento do filme “Contrato Vitalício”. 

O deputado Marco Feliciano (PSC-SP) aproveitou para telefonar durante a transmissão e acusar o grupo de “usar do poder da mídia para debochar de pessoas sem dar a elas direito de resposta”.

O curioso é que o próprio parlamentar mal deixou o humorista e colunista da Folha Gregorio Duvivier, seu alvo preferencial, responder à enxurrada de ataques. O ator muitas vezes nem tentou: riu e deu de ombros. Mas eu vou usar este espaço para rebater algumas das distorções e exageros proferidos por Feliciano.

Duvivier é petista”

O humorista é um opositor veemente do impeachment de Dilma Rousseff, mas também já fez muitas críticas ao governo da presidente afastada. Nas eleições de 2014, declarou voto em Luciana Genro (PSOL).

E não há nenhum vídeo no YouTube onde Duvivier diga que “Lula é o messias”, como alega o deputado.

“Por que não fazem piada com o Islã?”

Já fizeram. Quem esquadrinhar o acervo do Porta dos Fundos encontrará alguns esquetes que tiram sarro do islamismo.

Mas são em número bem menor do que os fazem graça com os fundamentalistas cristãos e por uma razão singela: a população muçulmana no Brasil é pequena e não conta com uma bancada retrógrada no Congresso, com vários membros sob suspeita de irregularidades.

“Ninguém vai para o embate, ninguém vai para a briga”

O Porta dos Fundos, como todos os humoristas, vai para a briga toda vez que faz humor.

Porque humor é sempre contra. Não existe humor a favor.

“Gravei esses vídeos 22 anos atrás”

O vídeo do cartão de crédito, se houver sido mesmo gravado durante um evento beneficente em prol das vítimas do terremoto no Haiti, tem no máximo seis anos —a terra tremeu em Port-au-Prince em janeiro de 2010.

Feliciano já era bem crescidinho na época.

“Evangélico não tem apoio da mídia”

Essa é de se engasgar de tanto rir. 

E a Record? E a própria Globo, que vem fazendo esforços nítidos para agradar a este segmento da população? E os horários ocupados pelas igrejas neopentecostais em diversas emissoras? E as dezenas de sites e publicações evangélicas? Quem não tem apoio da mídia são os ateus...

“O pai do Fábio Porchat pediu apoio à bancada evangélica porque estava sendo ameaçado de morte por causa de uma piada”

Não foi bem assim.

Em 2014, o pai do humorista, o ex-deputado Fábio Porchat (os nomes são os mesmos), enviou uma carta ao senador Álvaro Dias (que não é da bancada da Bíblia) pedindo proteção ao filho —este é que havia sido ameaçado de morte.

Provavelmente, por algum desses cristãos que sempre oferecem a outra face.

“Somos 40 milhões de evangélicos”

Também não é bem assim.

Segundo dados do IBGE, os protestantes brasileiros somam 42,3 milhões, divididos entre dezenas de denominações: luteranos, batistas, presbiterianos... Os evangélicos neopentecostais, grupo a que Feliciano pertence, são bastante numerosos, mas não chegam a tanto.

“Vocês estão na mira do Ministério Público com este filme”

“Contrato Vitalício” não usou os mecanismos da Lei Rouanet para se financiar nem está na mira de nenhuma investigação.

O deputado só quer aumentar a impressão de que toda a classe artística frauda o erário.

“Quando você fala que Jesus Cristo era um palhaço...”

Duvivier nunca disse isso, nem qualquer outro membro do Porta dos Fundos. Esta acusação chega às raias da calúnia.

Não sou apaniguado do Porta dos Fundos nem conheço Gregório Duvivier. Só escrevi esta coluna porque não acho a menor graça em Marco Feliciano.

Tony Goes

Tony Goes tem 56 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.blogspot.com

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem