Publicidade

Em 'Babilônia', Gilberto Braga já mostra que não está nem aí para os valores da família brasileira

17/03/2015 - 15h10

Publicidade

Fernanda Montenegro lésbica —e dando um belo e longo beijo em Nathalia Timberg. Glória Pires pegadora –transando com três homens, um deles negro. No primeiro capítulo, Gilberto Braga já mostrou que não está nem aí para os valores da família brasileira e para o politicamente correto. Quem não gostou que desligue.

A obsessão de Inês (Adriana Esteves) por Beatriz (Glória Pires) lembrou aquela da Laura Cachorra (Cláudia Abreu) por Maria Clara Diniz (Malu Mader) em "Celebridade", do mesmo Gilberto. Glória Pires conquistou o milionário Cássio Gabus do mesmo jeitinho que Maria de Fátima levou no bico o rico Afonso de "Vale Tudo" —na base do "desculpa, não tive a intenção, esse beijo não devia ter acontecido".

Mas um bom Gilberto Braga não vive só de grandes eventos. É preciso também aquelas frases inesquecíveis, que antes só se guardavam na memória, mas agora fazem a festa nas redes sociais. "Que ano pode ser bom quando se começa brindando com cidra?", reclama pro marido Inês, que não suporta viver num apartamento de frente para favela. "Você já ouviu falar num antílope que é considerado o mais rápido da América do Norte? Eu já matei dois", diz Beatriz a sangue frio antes de matar Cristóvão, o segurança do noivo.

Pelo jeito, Glória Pires leva grande vantagem em inteligência e calculismo, enchendo a arma do crime com as digitais da outra. E seu personagem foi a cara de uma certa elite que despreza os pobres: usa o segurança como objeto sexual, mas depois lhe nega ajuda quando a mulher está doente. Mata o segurança negro que mal lhe chantageou, mas preserva a amiga classe média branca que faz chantagem pesada.

E estamos apenas no começo...

PS: Quando Inês lembra que na adolescência foi ver "aquele filme de terror com o Jack Nicholson que se passa num hotel" ("O Iluminado"), Beatriz demora a lembrar. Eu jamais perdoaria uma amiga que esquecesse com quem viu uma obra-prima dessas no cinema. Adriana, só por isso estou torcendo por você! (pelo menos nos primeiros capítulos...)

Thiago Stivaletti

Thiago Stivaletti é jornalista, crítico de cinema e noveleiro alucinado. Trabalhou no "TV Folha", o extinto caderno de TV da Folha, e na página de Televisão do UOL. Viciou-se em novela aos sete anos de idade, quando sua mãe professora ia trabalhar à noite e o deixava na frente da TV assistindo a uma das melhores novelas de todos os tempos, "Roque Santeiro". Desde então, não parou mais. Mesmo quando não acompanha diariamente uma novela, sabe por osmose todo o elenco e tudo o que está se passando.

  • Últimas notícias 
  •  

Publicidade

Publicidade

gostou? leia também

  •  

Publicidade

Siga agora o F5 no Twitter

Livraria da Folha