Publicidade

Aguinaldo Silva coloca seu bloco gay na rua

27/08/2014 - 09h54

Publicidade

Talvez incomodado com o sucesso do Félix em "Amor à Vida" —muito maior do que o seu Crô de "Fina Estampa"—, Aguinaldo Silva decidiu colocar um verdadeiro bloco gay na rua em "Império". Como autor experiente, ele devia imaginar que não poderia ter José Mayer, ícone supremo da masculinidade global, como um gay pai de família e nada afeminado sem criar um contrapeso para agradar o público mais conservador: o blogueiro Téo Pereira (Paulo Betti), clichê da bicha afetada e venenosa.

Gostaria muito de saber como andam as pesquisas de público da Globo com a novela, mas imagino que um Zé Mayer gay deve incomodar muita gente, enquanto o personagem de Betti, na melhor linha "Zorra Total", deve agradar o público mais conservador para quem os gays devem ser sempre objeto (ou sujeito) de piada. Faz parte do jogo de uma boa novela —dar ao público um pouco daquilo que ele espera, empurrando também um pouco daquilo de que ele pode ter repulsa, mas depois se acostuma.

De qualquer maneira, ver que Osnar e Timóteo, dois dos quatro amigos machões de "Tieta", já podem viver gays numa novela 25 anos depois já mostra como a TV e a sociedade deram uma boa evoluída.

Para completar o painel de Aguinaldo, há ainda a cabeleireira Xana Summer (Ailton Graça), totalmente inspirada no engraçadíssimo Lafayette da série de vampiros "True Blood" (HBO). Um belo personagem que mistura o masculino e o feminino, sabe tudo de beleza mas também quebra a cara dos machões quando é preciso. Há rumores de que Xana deve assumir em algum momento ser hétero. Pode não ter muito a ver com a realidade, mas seria uma boa maneira de indicar ao público que nenhuma fronteira de sexo está livre de ser derrubada e, como canta Milton Nascimento em "Paula e Bebeto", "qualquer maneira de amor vale a pena".

MARIA DE VERDADE

Mais conhecida como a mulher do capitão Nascimento em "Tropa de Elite" e mulher do Caio Blat na vida real, Maria Ribeiro está em seu melhor momento na TV. Ela é de longe a mais interessante na temporada atual do "Saia Justa" (GNT), dando opiniões instigantes, citando Fernando Pessoa, sem medo de se expor —já contou, entre outras coisas, que tem uma prima bipolar, casos de suicídio na família e recorre a ansiolíticos quando precisa. E, em "Império", sua personagem Danielle começou como simples patricinha, mas está começando a mostrar seu lado Lady Macbeth, pressionando José Pedro (Blat) a roubar o império do pai.

PISCINA AFRODISÍACA

Impressão minha, ou "O Rebu" ficou bem mais interessante quando se escancararam os desejos sexuais reprimidos dos protagonistas? Outro dia, o delegado Pedroso (Marcos Palmeira) tascou um beijo na investigada, a milionária Ângela Mahler (Patrícia Pillar) —sob o risco de perder o emprego, e mesmo depois que uma empregada os interrompeu. A outra investigadora, Rosa (Dira Paes), nunca foi com a cara de Ângela, talvez porque sentiu a concorrência. Ela já foi apaixonada por Pedroso e perdeu um filho dele sem que ele soubesse. A fotografia de "O Rebu" pode ser cool, em 50 tons de cinza, mas é melhor que os personagens sejam mais "quentes" do que ela.

Thiago Stivaletti

Thiago Stivaletti é jornalista, crítico de cinema e noveleiro alucinado. Trabalhou no "TV Folha", o extinto caderno de TV da Folha, e na página de Televisão do UOL. Viciou-se em novela aos sete anos de idade, quando sua mãe professora ia trabalhar à noite e o deixava na frente da TV assistindo a uma das melhores novelas de todos os tempos, "Roque Santeiro". Desde então, não parou mais. Mesmo quando não acompanha diariamente uma novela, sabe por osmose todo o elenco e tudo o que está se passando.

  • Últimas notícias 
  •  

Publicidade

Publicidade

gostou? leia também

  •  

Publicidade

Siga agora o F5 no Twitter

Livraria da Folha