Celebridades

Padre Fábio de Melo se diz 'muito confortável' com sua opção de celibato 

Para o padre Fábio de Melo, 46, a sociedade se preocupa muito mais com casamento de um sacerdote do que o próprio religioso. 

"As pessoas querem que a gente case. Eu nunca vi uma passeata de padre 'nós queremos casar'", disse. "É uma preocupação muito mais da sociedade do que nossa", completou. 

O padre famoso esteve no programa "Altas Horas", da Globo, na noite deste sábado (12) –a atração apresentada por Serginho Groisman, 67, ainda contou com as participações da jornalista Maju Coutinho, 39, do maestro João Carlos Martins, 77, e do cantor Nego o Borel, 25. 

A Groisman, Melo também disse que o celibato e o fato de não ter dependentes o deixa livre para fazer o que quiser.

"Eu me sinto muito confortável com a minha opção. Para viver a vida que eu vivo, o celibato me ajuda muito", disse o religioso. 

'QUERO QUE AS PESSOAS SE SINTAM CONFORTÁVEIS COMIGO'

Outro assunto conversado durante o programa foi a presença da figura de um padre na sociedade. Melo afirmou que já viveu situações desconcertantes quando, na sua presença, as pessoas mudaram de assunto. 

"Não tem que ser assim. Eu acredito que o padre tem que ser alguém que faça parte da sociedade, alguém que tem a oportunidade de ser amigo dessas pessoas, sem que elas precisem abrir mão dos assuntos que elas têm, entre elas, ou até mesmo de me receber como os amigos delas", disse o católico.

DEPRESSÃO 

Nesta sexta (11), o padre usou a rede social Instagram para falar de síndrome do pânico, doença diagnosticada anos atrás, mas que cujos sintomas reapareceram há 20 dias. "Parei de dormir direito e passei a enfrentar uma angústia muito grande."

Segundo o religioso, indícios do transtorno voltaram por causa de um "problema grave familiar", mas que já está medicado e em tratamento com um psiquiatra. 

"Fiquei praticamente uma semana trancado em casa, com sensação de morte, tristeza profunda e medo de tudo. Nunca chorei tanto na minha vida", disse.

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem