Celebridades

Silvio Santos sugere a Doria ter Bolsonaro como vice em uma possível disputa à Presidência em 2018

O prefeito João Doria participa do "Programa Silvio Santos", no SBT
O prefeito João Doria participa do "Programa Silvio Santos", no SBT - Lourival Ribeiro/SBT


O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou ao apresentador Silvio Santos que não trairá seu padrinho político, o governador Geraldo Alckmin (PSBD), em uma possível disputa interna do partido para ser candidato à Presidência em 2018.

"Isso eu não faço. A minha relação com ele é a melhor possível e de muita estima, por isso que eu fiz a citação dele inclusive", disse o tucano no quadro “Silvio Santos Recebe”, que será exibido no próximo domingo (18), a partir das 20h, no SBT.

Silvio Santos aproveitou e sugeriu o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) para ser vice de Doria. "Tem o [Jair] Bolsonaro, quem sabe você e o Bolsonaro. Não sei, mas aí a disputa vai ser difícil."

Doria disse ainda que, antes de concorrer à Prefeitura de São Paulo, primeiro ganhou a eleição interna do partido para depois lançar sua candidatura. "Mas eu tomei a decisão de disputar e ganhei a eleição primeiro dentro do próprio PSDB e, depois, as eleições aqui em São Paulo."

O tucano também lembrou sobre a iniciativa de Silvio Santos de se candidatar à Presidência em 1989. O apresentador afirmou que no caso dele foi uma vaidade. "Quando falaram comigo sobre política mexeu com minha vaidade e eu quis tentar, mas não deu certo. Okay, foi até bom."

Além do prefeito, o apresentador Silvio Santos também recebeu no mesmo quadro o escritor Fernando Morgado, autor do recém-lançado livro “Silvio Santos - A Trajetória do Mito".  

Confira parte do bate-papo de Silvio Santos com o prefeito João Doria. 



Silvio Santos - Você nunca deu a impressão de que concorreria algum cargo eletivo. O que é que deu na sua cabeça e em que momento foi que você resolveu partir para a política? 

João Dória - É uma boa pergunta, uma resposta para todos e para você em particular, pois você quase foi para a política, né Silvio?

Eu quase que fui. A vaidade toma conta da gente, claro. 

Não era vaidade, era necessidade. Você com a sua experiência... 

Okay, está certo. Para mim, no caso, seria uma vaidade porque o que é que falta para mim? Falta realmente ser prefeito, ou falta ser governador, ou falta ser presidente, porque o resto, felizmente, com a sorte que eu tenho, eu tenho tudo. Mas okay, quando falaram comigo sobre política mexeu na minha vaidade e eu quis tentar, mas não deu certo, okay, foi até bom. Por isso que eu pergunto para você, a tua mulher? o que é que ela falou na hora que você disse “vou ser político, vou disputar a prefeitura”?

Foi que nem a Iris (Abravanel), não gostou. Nem os meus filhos. Evidentemente quando você toma uma medida como essa afasta você da vida familiar. 

Mas você está dando sorte por uma razão: atualmente os brasileiros estão sem candidatos e todo mundo está dizendo que se você se candidatar, não estou puxando o seu saco não, estou falando sério, todo mundo está dizendo que se você se candidatar, você pode se candidatar a presidente da República e pode ganhar. Eu acho, tenho a impressão, aí é de observador, quem vai tentar se candidatar, creio eu, é o Joaquim, aquele Joaquim que foi juiz, Joaquim Barbosa, e o Sérgio Moro...

O Sérgio Moro eu acho que não. Ele já declarou...

Ele declarar, todo mundo declara, mas na hora, dizem que é a nuvem, né? Mudou a nuvem. Mas se você disputar com o Joaquim. Se fizer uma chapa Joaquim Barbosa e Sérgio Moro, aí você vai ter que arranjar alguém na sua chapa para poder. Tem o [Jair] Bolsonaro, quem sabe você e o Bolsonaro. Não sei, mas aí a disputa vai ser difícil. Mas se você se candidatar, do próprio Joaquim você ganha, do Sérgio Moro que é um pouco mais difícil. Se você se candidatar atualmente, presidente. Quem diria, não? Presidente da República com cara de boyzinho, aí, cara de 20 anos (risos). 

Silvio, tantos anos que nos conhecemos e tantos anos de relacionamento. Primeiro obrigado por essa...

Fala com sua esposa [Bia Doria] que eu recebi a escultura dela. Está na minha casa em um lugar privilegiado. É Bia, né? Dá um abraço nela. 

Ela vai ficar muito feliz. Bom, o que motivou, essa foi a sua pergunta. Silvio, eu tenho três filhos, o Felipe que acaba de completar 16 anos, Carolina que tem 15 anos e o João Doria Neto, 22. Eu amo muito os meus filhos, como você ama os seus filhos, como vocês os seus irmãos, algumas aqui já são mães, talvez aqui avós, e eu estava muito triste com o Brasil, Silvio. Eu não quero ficar aqui fazendo críticas sobre o passado, até porque não é o objetivo, mas essa foi uma das razões. O Brasil despencando, o Brasil maltratado, o Brasil sendo assaltado. Aquilo mexeu muito comigo ao ouvir dos jovens “eu não quero mais viver no Brasil”, “Eu não acredito no Brasil”, “Eu não tenho esperança no Brasil”. Bom, como você, dadas as devidas proporções, consegui fazer uma trajetória de sucesso na vida empresarial. Ganhei o suficiente para viver o resto da minha vida com tranquilidade, mas gosto de trabalhar, assim como você, muito. Aliás, somos os dois sagitarianos e essa é uma característica dos sagitarianos...

Você também é de dezembro?

Dezembro. Dia 16 e você é 12. Mas, tomei uma decisão, que era disputar a eleição. Aí eu disputei pelo PSDB que é o partido do qual sou filiado desde 2001. Devo um agradecimento muito especial ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), que gosta muito de você...

Aí você não vai poder disputar com seu padrinho. Ele também é um forte candidato.

Claro, mas esse risco de incompatibilidade entre nós não existe.

Aí o Geraldo vai para presidente e você para governador. Por isso, você não vai disputar com padrinho. Aí você vai ser traidor. Ele vai dizer que você traiu.

Isso eu não faço. A minha relação com ele é a melhor possível e de muita estima, por isso que eu fiz a citação dele inclusive. Mas eu tomei a decisão de disputar e ganhei a eleição primeiro dentro do próprio PSDB e, depois, as eleições aqui em São Paulo. Silvio, pela primeira vez um candidato ganha a eleição no primeiro turno em São Paulo depois de 28 anos, desde que as eleições passaram a ser em dois turnos. 



Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem