Você viu?

Autor de 'O Menino do Pijama Listrado' inclui receita de 'Zelda' em novo livro sem querer

'Não me lembro, mas devo ter só jogado no Google', assume John Boyne

Cena do jogo "Legend of Zelda: The Skyward Sword"
Cena do jogo "Legend of Zelda: The Skyward Sword" - Divulgação
São Paulo

John Boyne, o autor do best-seller "O Menino do Pijama Listrado", assumiu que errou na escrita de seu mais recente livro, "The Traveller At the Gates of Wisdom".

O erro foi inicialmente apontado pela jornalista norte-americana Dana Schwartz, e descoberto por um usuário do Reddit. Ela compartilhou um trecho encontrado na obra, em que um personagem explica como tingir roupas vermelhas usando termos como "Lizalfos" e "Hyliam Shrooms" –elementos usados no jogo "Zelda, Breath of the Wild" para tingimento de armaduras.

"Se esses ingredientes parecem estranhos para você, é porque eles saem do jogo 'Zelda Breath of the Wild'", escreveu Schwartz no Twitter. "É uma homenagem? Um 'easter egg'? Hmm. O livro não é uma história de fantasia. É um drama histórico ambientado no mundo real".

"Então enquanto John Boyne fazia uma pesquisa superficial no Google sobre como tingir roupas de vermelho, ele encontrou um site listando partes de monstros e acidentalmente as colocou em seu livro super sério. Estou muito envergonhado por ele e este é o meu pesadelo, mas também é muito engraçado", continuou. "Que seja uma lição para todos os romancistas, que leiam o contexto completo das coisas que você procura para seus livros, mas se você cometer erros, pelo menos deixe que eles sejam hilários".

O escritor leu os comentários de Schwartz e respondeu à jornalista, assumindo o erro: "Isso é realmente meio hilário. Estou totalmente disposto a assumir. Algo que me diz que isso será uma anedota por anos".

A jornalista então pediu para que ele não editasse o trecho, pois o amou, e ele confirmou que o manterá como está. "Na verdade, acho super engraçado e você está totalmente certa. Eu não me lembro, mas eu devo ter só jogado no Google".

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem